Jornal do Commercio
desvios na mata sul

Torrentes: PF prende pastor e advogado suspeitos de lavagem de dinheiro em PE

As prisões do pastor e do advogado fazem parte da ''Operação Torrentes'', deflagrada no final do ano passado

Publicado em 16/05/2018, às 11h15

No total, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva, duas na Região Metropolitana do Recife e uma no Maranhão / Foto: Divulgação/Polícia Federal
No total, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva, duas na Região Metropolitana do Recife e uma no Maranhão
Foto: Divulgação/Polícia Federal
JC Online

Um pastor e um advogado tiveram os mandados de prisão preventiva cumpridos nessa terça-feira (15) em mais uma ação da Operação Torrentes, na Região Metropolitana do Recife (RMR). De acordo com a Polícia Federal (PF), tanto o religioso quanto o advogado, estão sendo investigados pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e tráfico de influência.

Os dois mandados foram cumpridos nos bairros de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes, e no Espinheiro, no Recife. Segundo a PF, além dessas duas prisões, mais um mandado preventivo foi realizado em São Luís, no Maranhão. Lá, um Policial Militar, também suspeito de envolvimento com os mesmos crimes, foi preso por agentes da Polícia Federal.

Os três suspeitos foram interrogados, encaminhados para realização de exame de corpo e delito nos Institutos de Medicina Legal das respectivas cidades, levados à audiência de custódia e direcionados aos centros prisionais.



O pastor e o advogado foram levados para o Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, na RMR. Três equipes com 12 agentes federais foram distribuídas para realizar as prisões preventivas disponibilizadas pela 13° Vara da Justiça Federal .

Entenda a operação

A Operação Torrentes apura o desvio de recursos federais enviados para ajudar vítimas das enchentes de 2010 e 2017 em Pernambuco. Há 13 dias, a PF cumpriu 15 mandados de prisão temporária e 21 de condução coercitiva na operação para apurar indícios de superfaturamento, fraude em licitação e corrupção de servidores públicos durante o socorro às vítimas das enchentes coordenado pela Casa Militar.

Ao todo, a União destinou R$ 455 milhões ao Estado. Segundo a PF, em alguns contratos a fraude pode chegar a 30% do valor. Na época, o Palácio do Campo das Princesas classificou a operação como uma “espetacularização negativa” e defendeu as ações na Mata Sul por meio de nota.


Recomendados para você


Comentários

Por CIDADÃ,17/05/2018

Ué! Ainda não publicaram meu comentário de ontem, 16/05/2018, pedindo para que divulguem fotos e nomes dos safados!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM