Jornal do Commercio
Olinda

Beijupirá comemora dois anos no alto

Charmoso restaurante da Cidade Alta lança novos pratos para marcar o aniversário

Publicado em 06/10/2012, às 11h06

Como entrada, vá de Pra distrair: queijo em cubinhos, camarão no vapor, ceviche de agulha, torradas amanteigadas e azeitonas / Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Como entrada, vá de Pra distrair: queijo em cubinhos, camarão no vapor, ceviche de agulha, torradas amanteigadas e azeitonas

Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Flávia de Gusmão

Pois é, lá se vão dois anos desde que a grife Beijupirá resolveu se instalar na Cidade Alta, em Olinda, quebrando mais um paradigma. Em pleno furor da lei seca e suas blitzes, não faltou quem dissesse que a nova localização não ia “pegar”, que ninguém iria percorrer tantos quilômetros para conferir, e que isso e aquilo.

Pegou, e pegou bem, eu diria, e olha que acessibilidade não é o forte desse restaurante. Encravado de tal forma entre a Ladeira da Misericórdia, lá em cima, e a Rua do Amparo, muitos metros abaixo, o projeto arquitetônico do Beiju previa o auxílio de um elevador panorâmico que, depois de deslumbrar os visitantes, parou sem que o proprietário João Didier conseguisse consertá-lo, e olha que tentou. A solução, então, não é para todo mundo: descer as escadas via Misericórdia/Amparo ou cobrir o percurso, na direção oposta, com a desvantagem de subir os degraus, embora uma distância menor.

O esforço, normal para quem não tem problemas de mobilidade, mas considerável para quem o tem, é recompensado ao chegar no ambiente incomparável do Beiju. Uma espécie de casa na árvore com vista para o Recife e Olinda, do alto. A melhor mesa – obviamente a mais difícil de conseguir – é a que fica na varanda, literalmente debruçada e isolada do resto da casa. Quando eu penso no Beijupirá, eu penso em diversão, prazer para os olhos e bons drinques, mais do que penso em sentar e comer uma refeição inteira. E a culpa disso é de Adriana Didier, a mente criativa (e bota isso nisso) por trás da marca.

Experiência extrassensorial é pedir um vinho branco e começar a pensar na vida na companhia da entrada, apropriadamente batizada de Pra distrair: uma bandejinha com concavidades que dão suporte a coisinhas de beliscar: queijo em cubinhos, camarão no vapor, ceviche de agulha, torradas amanteigadas e azeitonas.
Depois, parte-se para os bolinhos: o de bacalhau e o de charque, tão cremoso nunca vi. E ainda sobra espaço para o filezinho de saramonete com aspargos crocantes e ovo poché por cima. Veem porque eu nunca consigo alcançar o prato principal?

Mas, falemos deles. Para comemorar o aniversário de dois anos, o Beijupirá Olinda lançou dois novos pratos: o Frevada, que também comemora o prêmio concedido pela revista Veja Comer & Beber Recife 2012 ao restaurante na categoria de Frutos do Mar, e o Maracangu. O Frevada reúne lagosta, polvo, lula, camarão, peixe e marisquinhos fervidos no leite de coco, acompanhados de arroz e cuscuz.  É como se fosse uma paella de frutos do mar, carro-chefe do restaurante, numa leitura regional.

O outro prato escolhido para celebrar o aniversário do restaurante leva charque crocante desfiada, arroz com angu e queijo manteiga, além de cubos de batata-doce no mel de engenho. Inicialmente criado para o 9º Festival Rio Bom de Mesa, que aconteceu no Rio de Janeiro, em junho, o Maracangu só agora poderá ser provado pelos pernambucanos. O prato virá acompanhado de um brinde no clima de Olinda: um dos bonecos gigantes de Olinda.

Serviços

Rua Saldanha Marinho, Alto da Sé, s/n, ao lado da Igreja da Misericórdia. Reservas: 3439-6691/ 9734-1144. De sexta a segunda, almoço e jantar, a partir de 12h; quarta e quinta, apenas jantar, a partir das 18h. Fecha na terça-feira




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM