Jornal do Commercio
comportamento

Biografia de uma empresa cuja história se mistura com a da radiola de ficha

Sonidos Joguiar, que aluga radiolas de fichas desde a década de 1950 foi pinoeira na capital pernambucana

Publicado em 18/05/2014, às 00h01

Diversos tipos de radiolas compõem o cenário da Sonidos Joguiar / Foto: Dani Neves/JC Imagem

Diversos tipos de radiolas compõem o cenário da Sonidos Joguiar

Foto: Dani Neves/JC Imagem

Valentine Herold
vherold@jc.com.br

A história das radiolas de fichas no Recife é indissociável à da Sonidos Joguiar, localizada em frente ao Marco Zero. A empresa, nascida José da Silva Aguiar, foi pioneira em trazer as jukeboxes do exterior e alugá-las a estabelecimentos da capital pernambucana. Tudo começou em 1956, quando o jovem português, radicado na terra do frevo e dos maracatus, José da Silva Aguiar, decidiu, junto a seu irmão, Roberto, abrir a empresa. 

Hoje, quem comanda a Sonidos é o filho de José, Fernando Aguiar. “Quando meu pai chegou ao Brasil, ele trabalhava lavando copos em bares. Depois, teve a sorte de ganhar um carro numa rifa, vendeu-o e abriu seu próprio bar”, conta. Na época, as radiolas de fichas eram quase exclusividade dos cabarés . E o Bairro do Recife era o palco principal da história. 

“As máquinas vinham no navio Vera Cruz, de Portugal. No início, eram de segunda mão e meu pai, quando ia instalá-las, distribuía algumas fichas para o pessoal ir se adaptando à novidade. Acabaram se viciando”, conta, orgulhoso, Fernando, que começou a trabalhar com o pai aos 16 anos. Ele largou na época o emprego que tinha no Banco Mineiro do Oeste, que ficava localizado na Praça da Independência. 

Atualmente, a empresa tem disponível dezenas de modelos para aluguel, todas das marcas NSM, Wurlitzer e Row. A maioria dos clientes continua sendo os estabelecimentos comerciais, mas a quantidade de pessoas que chega até o térreo do antigo casarão do Bairro do Recife desejando alugar uma radiola para aniversário ou confraternização aumenta constantemente. O preço de um aluguel para uma noite varia de R$ 200 (para o Grande Recife) a R$ 300 (cidades mais distantes). 

“Esquentou mais essa história de aluguel de uns quatro anos para cá. Mas muito mesmo. Tenho cliente em Casa Forte, na Avenida Boa Viagem.” De rotulada como atração de cabarés de baixa categoria a objeto de desejo de todos para uma boa diversão, a velha radiola mostra que, além de boa música, é capaz de quebrar preconceitos.

Leia a matéria na íntegra na edição deste domingo (18) do JC Mais, no Jornal do Commercio.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM