Jornal do Commercio
comportamento

É tempo de radiola sem ficha e novos formatos musicais no Recife

Empresa local desenvolveu um aplicativo de radiola de ficha digital. Central já adotou a novidade com 400 álbuns

Publicado em 18/05/2014, às 00h01

Thiago e Rodrigo, criadores do aplicativo Radiola Digital / Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Thiago e Rodrigo, criadores do aplicativo Radiola Digital

Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Valentine Herold
vherold@jc.com.br

Olha ela aí, toda colorida, luminosa e redondinha. E escuta o som que sai de seus auto-falantes disfarçados em engraçadas grades prateadas. Parece até um brinquedo, mas a radiola de ficha é quase a atração principal do playground de gente grande nos bares, casas de shows e, cada vez mais, festas particulares – perde provavelmente apenas para o líquido dourado precioso e um tanto amargo que sai das grandes garrafas de vidro. Se até a década passada era associada a bares de periferia, a radiola de ficha conseguiu quebrar preconceitos e tornar-se unanimidade no quesito diversão e liberdade de escolha musical. 


A jukebox, essa danada, não consegue ficar parada no tempo e acaba de revelar a seu fiel público sua mais nova transformação: a digital. Os sócios da empresa de tecnologia Inhalt, Rodrigo Vasconcelos e Thiago Porto, lançaram na última semana o aplicativo Radiola Digital. Funciona seguindo o mesmo princípio do seu agora mais velho (mas nunca obsoleto) formato. O cliente baixa o aplicativo e escolhe, dentro da seleção musical definida pelo estabelecimento, a música que deseja.

A ideia de criar o Radiola Digital veio – assim como toda grande ideia, segundo Rodrigo – de uma necessidade. Há cerca de dois anos e meio, Thiago estava em um restaurante e bastante angustiado com o DVD que estava sendo reproduzido no local. “São sempre aqueles mesmos registros. A gente teve então a ideia de um aplicativo que permitisse ao cliente escolher o que queria ouvir”, conta.

Um que já adotou a ideia (além do Burburinho; Fiteiro, do Bairro do Recife; e da Academia Corpore Sano) foi o Bar Central. Os clientes podem, a partir da compra de uma ficha de R$ 2, que dá direito a duas músicas. A relação entre o Central e a radiola, inclusive, não data exclusivamente desta era digital. Desde que abriu o estabelecimento, há quase 11 anos, André Rosemberg optou por adquirir o aparelho. “Minha referência na época era a Soparia (antigo bar de Roger de Renor e palco de shows de estreia da Chico Science e Nação Zumbi e outras bandas locais), onde tinha uma radiola de ficha”, relembra. 

A falecida Wurlitzer, que substituiu a radiola de segunda mão pouco tempo depois, repousa hoje em dia – tadinha!– inutilizada e suspensa na parede da parte interna do Central. É que a falecida quebrou há seis meses e a empresa alemã deixou de produzi-la. “A música, assim como a cozinha, é a alma do estabelecimento. É ela que define minha clientela.”

Mesmo sem poder exercer sua função verdadeira, a jukebox do Central já foi pivô de muitas história de paixão e amor. Com a simples desculpa do famoso “vem que eu te mostro como funciona, é só colocar a fichinha dentro”, o rapaz ultrapassava as barreiras da timidez ou do medo de levar um fora. E com a direta resposta “posso escolher essa aqui, de Reginaldo?”, a moça mostrava estar também na mesma vibe e pedia um brega com letras bastante significativas.

Não se preocupem, caro rapaz tímido e cara moça segura de si, suas chances de paquerar no bar com trilha sonora não acabaram, só mudaram de formato. “A próxima etapa da Radiola Digital é incluir a opção de dedicar as músicas. A pessoa receberia um aviso na home do aplicativo pedindo a autorização para a execução da música escolhida por outra pessoa para ela”, explica Rodrigo. “Outra novidade que está a caminho, nessa segunda versão, é a inclusão de clipes no set list. Deve sair em uns 90 dias.”

Leia a matéria na íntegra na edição deste domingo do JC Mais, no Jornal do Commercio




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM