Jornal do Commercio
Tendência

Agroecologia traz a alma para o prato

Oferta tem crescido no Recife, levando pessoas a acordar cedinho e buscar opções de alimentos mais saudáveis

Publicado em 03/05/2015, às 00h08

Relação entre quem produz e quem consome tem grande componente afetivo / Juju Vegan/ acervo pessoal

Relação entre quem produz e quem consome tem grande componente afetivo

Juju Vegan/ acervo pessoal

Mariana Mesquita

São quase 70 feiras agroecológicas em Pernambuco, mais de 20 delas no Recife, sustentando uma rede de cerca de 1.400 famílias de agricultores e alimentando aproximadamente 14 mil pessoas. A estimativa é do agrônomo e produtor Flávio Duarte, sócio do Centro Sabiá. Há 18 anos, ele foi um dos fundadores da primeira feira do gênero a funcionar no Recife, o Espaço Agroecológico das Graças. De lá pra cá, as iniciativas se multiplicaram e o hábito de acordar cedinho para comprar os produtos se incorporou à vida de muitas pessoas nos bairros ou em feiras menores, “privadas”, dentro de escolas como a Waldorf e a Fazer Crescer ou instituições como a Secretaria Estadual de Educação e o Tribunal Regional do Trabalho.

Tem público para todo gosto. Dos senhores aposentados que resgatam a tradição de “ir à feira”, perdida ao longo do tempo, aos jovens que “espicham a balada” e compram na sequência das festas. A feira do Carmo, em Olinda, atrai gente como o fotógrafo Fernando Figueiroa, de 28 anos: a partir das 3h30 da manhã, quando o espaço começa a ser montado, é hora de forrar a barriga com pastéis e sucos fresquinhos. Famílias inteiras, com crianças a tiracolo, madrugam nas feiras. A barraquinha de Lenir, nas Graças, recebe fregueses que compram pães e salgados em quantidade, por recomendação médica, para lanchar ao longo semana.

“A alimentação é um campo de exercício da liberdade e de expressão política. Para mim, trata-se de uma cadeia revolucionária de generosidade onde a gente se inclui, como consumidor final. É maravilhoso comprar das mãos de quem plantou, que cuidou de sua comida”, diz Rafaela Valença, 29, que frequenta estas feiras há dez anos e, há três, criou a empresa Avena, onde produz alimentos veganos utilizando vários insumos adquiridos nestes espaços. 

Quem frequenta as feiras agroecológicas percebe que a relação entre agricultores e consumidores envolve afeto e cidadania, num patamar impossível de reproduzir em outros ambientes. Nos grandes supermercados há opções orgânicas, a maioria com preço elevado em relação às opções de alimentos expostas a agrotóxicos. Mas a proposta agroecológica vai além do alimento em si. Além do respeito à natureza, o comércio é embasado na confiança, na qualidade e, também, nos preços. O fato é que os alimentos comercializados por meio desta rede geralmente saem mais em conta que os “convencionais” vendidos nos supermercados: foi o que comprovou uma pesquisa comparativa realizada no ano passado, levantando os preços de 15 produtos, como mamão, jerimum, laranja, inhame e ricota. 

Para facilitar a compra, existem opções como o site da Comadre Fulozinha, que tem seis mil clientes cadastrados, dezenas de opções de produtos locais e de todo o Brasil, que vão de folhagens produzidas por agricultores pernambucanos, pães, oleaginosas e outros produtos especiais, e até frutas como maçã e caqui orgânicos. A empresa entrega em toda a região metropolitana. Isso, porém, elimina um pouco da graça que existe no contato direto. Dentro da rede agroecológica há uma relação de solidariedade entre os produtores, que se ajudam mutuamente e tomam decisões de forma coletiva, e também com os consumidores. No início da feira das Graças houve uma situação que vai de encontro ao lugar-comum das relações de mercado: pessoas adquiriram “vales”, emprestando dinheiro para os agricultores na entressafra e viabilizando a produção futura. Ir à feira, nesse contexto, alimenta a alma por tabela. Que o diga o agricultor Rafael Justino, que traz a sanfona junto com os produtos de sua banca e encerra os encontros, todo sábado, tocando forró pé-de-serra junto com os clientes. 

FAST-FOOD SAUDÁVEL

Uma outra tendência que vem crescendo no Recife é a oferta de comida natural, muitas vezes vegana (sem ingredientes de origem animal). Os produtos são consumidos por quem é defensor dos direitos dos animais, por quem considera que fazem bem à saúde e até por quem, simplesmente, tem fome e aprecia o sabor. Alternativas à carne, ao leite e ao ovo aparentemente estranhas, como “carne” de jaca verde, de caju e de mangará de bananeira, “leites” vegetais de aveia e amêndoa e “clara” de linhaça e agar-agar, transformam-se em comidinhas que agradam ao paladar geral.

A Avena, da olindense Rafaela Viana, vende trufas, tortas, docinhos e outras comidas artesanais “de verdade”, sem aditivos químicos, e dá aulas de culinária. Outro bom exemplo é a empresa Juju Vegan, formada por sete voluntários. À frente de um abrigo para animais com necessidades especiais, a venda de alimentos começou para arrecadar dinheiro para o tratamento dos bichos (incluindo Juju, um gatinho paraplégico) e, também, divulgar o veganismo. 

A designer Chyrllene Albuquerque, 26, está à frente do projeto e explica que a ideia é fazer com que os produtos se assemelhem aos “normais”, tanto na aparência como nos preços, que são propositadamente acessíveis. Toda terça e quinta, uma banquinha montada próximo ao Centro de Artes da UFPE vende delícias como coxinha de jaca e cupcake de banana com cacau e docinhos, os quais se esgotam em poucas horas. A clientela crescente, inclusive para festas infantis, já levou à construção de um espaço maior e à terceirização dos produtos em lanchonetes em Olinda e no Recife. 




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Fascinante África do Sul Fascinante África do Sul
Reportagem especial aborda os atrativos turísticos da África do Sul e as relações econômicas do país com o Brasil
Dossiê das torcidas organizadas Dossiê das torcidas organizadas
Série de reportagens mostra a atuação das torcidas organizadas em Pernambuco a partir de 2001, ano da primeira morte em consequência dos confrontos
Fora dos trilhos Fora dos trilhos
Dez anos depois do início das obras da Transnordestina, o pouco que foi construído está abandonado. Era 'o sonho' de uma ligação férrea entre o litoral e o interior do Nordeste

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2016 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM