Jornal do Commercio
Patrimônio

Forte das Cinco Pontas: o museu do Recife

Criado em 1982, o Museu da Cidade do Recife fica no histórico bairro de São José, dentro de uma fortificação do século 17

Publicado em 08/11/2015, às 09h10

Com entrada franca, o museu abre da terça-feira ao domingo, das 9h às 17h / Foto: Edmar Melo/JC Imagem

Com entrada franca, o museu abre da terça-feira ao domingo, das 9h às 17h

Foto: Edmar Melo/JC Imagem

Cleide Alves
cleide@jc.com.br

O bairro de São José tem um forte do século 17. No forte há um museu. E o museu conta a história do Recife. Não só com a sua preciosa coleção de fotos e mapas, livros, litografias, azulejos e material arqueológico. O Forte de São Tiago das Cinco Pontas é a porta de entrada dessa história.

Desde que foi criado, em 1982, o Museu da Cidade do Recife funciona nessa fortaleza, uma construção portuguesa de pedra e cal que está por cima do forte holandês feito de madeira e terra.

O primeiro forte foi construído em 1630, para proteger cacimbas de água doce e garantir o abastecimento em tempos de guerra, diz o arqueólogo Ulisses Pernambucano. Com o fim da ocupação flamenga, em 1654, os portugueses assumem o lugar e fazem outro forte, cobrindo o mais antigo. Ulisses descobriu os vestígios da fortificação holandesa em escavação realizada nos anos 70.

É nesse reduto que o Museu da Cidade do Recife recebe os visitantes. “Um museu dentro do outro, como a boneca russa matrioska”, compara o arqueólogo, que também resgatou fragmentos de louça, pedaços de cachimbo e tijolos holandeses, além de objetos de uso diário dos ocupantes do forte. “A quantidade de peças é imensa”, afirma a diretora do centro cultural, Betânia Corrêa de Araújo.

Todo esse material arqueológico compõe acervo do museu. E mais 250 mil imagens, 2.560 títulos (livros e revistas), 1.898 peças digitalizadas (mapas, plantas, projetos de arquitetura), 146 azulejos dos séculos 17 ao 19, três portas e duas imagens de santos da Igreja dos Martírios, demolida para a abertura da Avenida Dantas Barreto.

Livros, revistas, fotos e mapas estão à disposição da população para pesquisas. Não se acanhe e faça uso do material. É só ligar e agendar o horário pelo telefone (81) 3355-9556, avisa Sandro Vasconcelos, responsável pelo setor. Se você escreveu livros, dissertações e teses sobre o Recife ou tem publicações em duplicata, que tratem da cidade, pode doar que a casa aceita e agradece.

O museu abre da terça-feira ao domingo, das 9h às 17h. Embora não esteja no percurso da ciclofaixa de lazer dos domingos – o caminho sobe o viaduto das Cinco Pontas – vale a pena fazer um desvio na rota e conhecer o lugar. Claro que nem todas as peças estão à mostra, mas sempre há exposição em cartaz.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

Pare uns instantes, descanse as pernas e aproveite para contemplar a mostra de longa duração sobre o Capibaribe, com paisagens curiosas de bairros do Recife banhados pelo rio, registradas nos anos 40 e nos dias atuais.

Há ainda, a exposição temporária Caderno que vira livro que vira caderno, aberta até 29 de novembro de 2015, com trabalhos de artistas plásticos de Pernambuco e de outros Estados. Nesse caso, o visitante não vai apenas olhar as obras. Ele também pode participar e julgar o material exposto.

“Vamos colocar revistas, tesoura, cola e lápis numa mesa e a pessoa também pode criar a sua arte”, avisa Betânia. No encerramento da exposição, um dos artistas pernambucanos será premiado, a partir da votação popular.

Essa interação faz parte da filosofia do museu. “Não somos um lugar passivo, o público sempre é convidado a colaborar com nossos trabalhos. E assim, feito um bolo, vamos crescendo”, diz ela.

A lojinha também abre aos domingos. Lá, o visitante pode comprar livros, camisetas, canecas, postais e fôlder-cartaz com texto em português, inglês e francês relatando a história do forte. Há quatro opções do fôlder, cada uma ilustrada com fotos diferentes (só o texto é o mesmo) do arquivo do museu.

É só escolher entre uma planta do Recife em 1644, a cidade do século 17, durante o período holandês; a imagem de um azulejo português do século 19; uma foto de Alexandre Berzin, eternizando foliões no Carnaval de 1948; e o flagrante de Antônio Tenório, de meninos pulando de uma ponte no Açude de Apipucos, em 1986. Na dúvida, leve todos.

Que o dinheiro das vendas ajuda a manter o espaço, não há dúvidas. Mas, transformar o acervo em produto é uma forma de divulgar o museu para o mundo, observa Betânia. “Nossa proposta é, aos poucos, ampliar o número de objetos que podem ser disponibilizados.”

O centro cultural é mantido pela Associação de Amigos do Museu da Cidade do Recife, numa parceria com a prefeitura. A entrada é gratuita. Porém, em tempos de crise já, já um mealheiro será colocado no prédio, para doações voluntárias.

Ninguém é obrigado a engordar o porquinho, é só uma sugestão criativa para ajudar a preservar o acervo e manter o local como ele vem se firmando: um espaço de reflexão sobre a cidade.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.
Envelhecer bem Envelhecer bem
Com eles não tem isso de ficar em casa ou passar boa parte do dia lendo ou na frente da televisão. Não suportam dias monótonos. Eles são muito ativos e encaram qualquer desafio, até porque querem aproveitar a vida da melhor forma possível.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM