Jornal do Commercio
Comércio justo

Roupas do Nepal e das Olindas

Peças produzidas artesanalmente fazem sucesso entre os descolados

Publicado em 29/11/2015, às 00h03

Roupas custam em média R$ 100 e trazem para o consumidor a garantia de uma produção consciente  / Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Roupas custam em média R$ 100 e trazem para o consumidor a garantia de uma produção consciente

Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Mariana Mesquita

Quem fez a roupa que você está vestindo, neste momento? Não importa se custou muito ou pouco, se foi vendida em butique de luxo ou em loja de departamentos: você tem certeza de que a pessoa que costurou sua roupa foi remunerada dignamente, dentro de um esquema consciente de produção? As roupas comercializadas por Christian Cunha, de 47 anos, trazem a consciência limpa como brinde para o consumidor. “É errado fomentar, ainda que de forma inconsciente, o trabalho escravo e infantil. Por isso, muita gente antenada vem optando por comprar conosco”, conta o dono da loja Pure Nepal, em Olinda.

A ideia surgiu há dois anos. Presidente da organização não-governamental Atelier Multicultural, após uma viagem à Europa Christian trouxe peças nepalesas para a irmã e a namorada. Depois, fazendo uma pesquisa sobre cooperativas que trabalhavam de forma justa, foi pessoalmente ao Nepal, pequeno país asiático próximo à Índia, à China e ao Tibete. Lá, passou um mês hospedado na casa de nepaleses e aprendeu muito sobre a cultura local. “Me tocou ver que, apesar de ser um país muito pobre, o Nepal é pleno de dignidade. Não há violência nem assaltos. Até o convívio entre religiões é harmônico. Lembro que uma vez apontei sem querer para um templo budista e o guia que estava comigo, que era hinduísta, brigou dizendo que meu gesto era falta de respeito, e me mandou morder o dedo”, ri o brasileiro. Na volta, trouxe algumas roupas e fez o primeiro bazar, só para amigos. “Vendi tudo”, confessa. Animado, criou uma página no Facebook e voltou ao Nepal para buscar mais peças. Não parou mais.

As roupas que a Pure Nepal vende são étnicas e, na opinião de algumas pessoas, “estranhas”. “Tem gente que não está acostumada com a estética”, admite Christian. Ele não tem catálogo, porque os produtores têm liberdade para criar modelos diferentes e de forma artesanal, o que faz muitas peças serem únicas. “Não há controle rígido, e a relação com a cooperativa se faz ainda melhor por conta disso. Cada remessa é uma surpresa positiva”, confessa.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

“As peças que vendo não são exatamente baratas, mas valem cada centavo”, destaca Christian. A média de preço fica por volta dos R$ 100, no caso de calças e camisas masculinas. Já os vestidos variam entre R$ 80 a R$ 150. Ele também está investindo na compra de peças infantis e nem a alta do dólar o faz desanimar. “Isso gera alguma dificuldade”, admite. Mas o problema maior, segundo ele, é a Receita Federal. “O Brasil é um dos poucos países que taxam roupas artesanais. Na Europa e nos Estados Unidos, este tipo de produto não paga imposto. Já aqui, depois de pagar o imposto sobre produtos industrializados (IPI) e outras taxas, o custo dobra”, critica. 

Apesar das dificuldades, o lojista explica que está “muito feliz de ajudar a quebrar o paradigma da roupa barata”. “Temos notícia de escândalos envolvendo marcas famosas, que comercializam peças produzidas na China e na Índia por crianças e trabalhadores escravos. Nossas peças são feitas com dignidade de produção, com material 100% algodão e acabamento com qualidade infinitamente superior”, defende. A proposta é bem aceita pelo seu público, “mais preocupado com conforto e procedência do que com moda”. “São pessoas antenadas, ligadas à ioga, à arte e à dança”, descreve.

Desde sua criação, a loja vem se expandindo. De virtual, com mais de seis mil seguidores na internet, ela tornou-se física. Em vez de bazares bimensais, as vendas tornaram-se mensais e, agora, todo sábado e domingo, das 15h às 21h, Christian abre seu espaço, na Rua de São Bento, 179, para receber os amigos. O lugar já virou ponto de encontro em Olinda e, a partir do ano que vem, vai se tornar uma loja de verdade, comercializando também bijuterias e objetos de decoração. “Funcionamos dentro de um esquema diferente, onde as pessoas são recebidas pelo dono e fazem amizade”, revela. 


Serviços

Pure Nepal - Rua de São Bento, 179, Olinda - Fone (81) 41011214




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM