Jornal do Commercio
Comércio justo

Roupas do Nepal e das Olindas

Peças produzidas artesanalmente fazem sucesso entre os descolados

Publicado em 29/11/2015, às 00h03

Roupas custam em média R$ 100 e trazem para o consumidor a garantia de uma produção consciente  / Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Roupas custam em média R$ 100 e trazem para o consumidor a garantia de uma produção consciente

Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem

Mariana Mesquita

Quem fez a roupa que você está vestindo, neste momento? Não importa se custou muito ou pouco, se foi vendida em butique de luxo ou em loja de departamentos: você tem certeza de que a pessoa que costurou sua roupa foi remunerada dignamente, dentro de um esquema consciente de produção? As roupas comercializadas por Christian Cunha, de 47 anos, trazem a consciência limpa como brinde para o consumidor. “É errado fomentar, ainda que de forma inconsciente, o trabalho escravo e infantil. Por isso, muita gente antenada vem optando por comprar conosco”, conta o dono da loja Pure Nepal, em Olinda.

A ideia surgiu há dois anos. Presidente da organização não-governamental Atelier Multicultural, após uma viagem à Europa Christian trouxe peças nepalesas para a irmã e a namorada. Depois, fazendo uma pesquisa sobre cooperativas que trabalhavam de forma justa, foi pessoalmente ao Nepal, pequeno país asiático próximo à Índia, à China e ao Tibete. Lá, passou um mês hospedado na casa de nepaleses e aprendeu muito sobre a cultura local. “Me tocou ver que, apesar de ser um país muito pobre, o Nepal é pleno de dignidade. Não há violência nem assaltos. Até o convívio entre religiões é harmônico. Lembro que uma vez apontei sem querer para um templo budista e o guia que estava comigo, que era hinduísta, brigou dizendo que meu gesto era falta de respeito, e me mandou morder o dedo”, ri o brasileiro. Na volta, trouxe algumas roupas e fez o primeiro bazar, só para amigos. “Vendi tudo”, confessa. Animado, criou uma página no Facebook e voltou ao Nepal para buscar mais peças. Não parou mais.

As roupas que a Pure Nepal vende são étnicas e, na opinião de algumas pessoas, “estranhas”. “Tem gente que não está acostumada com a estética”, admite Christian. Ele não tem catálogo, porque os produtores têm liberdade para criar modelos diferentes e de forma artesanal, o que faz muitas peças serem únicas. “Não há controle rígido, e a relação com a cooperativa se faz ainda melhor por conta disso. Cada remessa é uma surpresa positiva”, confessa.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

“As peças que vendo não são exatamente baratas, mas valem cada centavo”, destaca Christian. A média de preço fica por volta dos R$ 100, no caso de calças e camisas masculinas. Já os vestidos variam entre R$ 80 a R$ 150. Ele também está investindo na compra de peças infantis e nem a alta do dólar o faz desanimar. “Isso gera alguma dificuldade”, admite. Mas o problema maior, segundo ele, é a Receita Federal. “O Brasil é um dos poucos países que taxam roupas artesanais. Na Europa e nos Estados Unidos, este tipo de produto não paga imposto. Já aqui, depois de pagar o imposto sobre produtos industrializados (IPI) e outras taxas, o custo dobra”, critica. 

Apesar das dificuldades, o lojista explica que está “muito feliz de ajudar a quebrar o paradigma da roupa barata”. “Temos notícia de escândalos envolvendo marcas famosas, que comercializam peças produzidas na China e na Índia por crianças e trabalhadores escravos. Nossas peças são feitas com dignidade de produção, com material 100% algodão e acabamento com qualidade infinitamente superior”, defende. A proposta é bem aceita pelo seu público, “mais preocupado com conforto e procedência do que com moda”. “São pessoas antenadas, ligadas à ioga, à arte e à dança”, descreve.

Desde sua criação, a loja vem se expandindo. De virtual, com mais de seis mil seguidores na internet, ela tornou-se física. Em vez de bazares bimensais, as vendas tornaram-se mensais e, agora, todo sábado e domingo, das 15h às 21h, Christian abre seu espaço, na Rua de São Bento, 179, para receber os amigos. O lugar já virou ponto de encontro em Olinda e, a partir do ano que vem, vai se tornar uma loja de verdade, comercializando também bijuterias e objetos de decoração. “Funcionamos dentro de um esquema diferente, onde as pessoas são recebidas pelo dono e fazem amizade”, revela. 


Serviços

Pure Nepal - Rua de São Bento, 179, Olinda - Fone (81) 41011214




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM