Jornal do Commercio
BAIRRO

Miró também é da Boa Vista

Poeta - e antes de tudo, cronista - distribui pelo Centro do Recife, onde mora atualmente, intervenções literárias e reflexivas

Publicado em 06/12/2015, às 06h35

Miró cola intervenções no asfalto da Rua do Giriquiti, Centro do Recife / Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Miró cola intervenções no asfalto da Rua do Giriquiti, Centro do Recife

Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Kalor Pacheco
kpacheco@jc.com.br

Perto das cinco da tarde, assim que Miró, 55 anos, viu a gente – o fotógrafo e a repórter –, acenou saltitante, cheio de gana. Eram os últimos raios de sol daquele dia no bairro da Boa Vista, bem perto do Largo da Santa Cruz; estávamos na vizinhança da pensão onde o artista mora atualmente, na Rua da Alegria. 

No mês de julho Miró deixou – ou melhor, foi resgatado, delirante e desolado, por um vizinho – a Muribeca que carrega na sua assinatura para ser internado no Hospital Oswaldo Cruz, em Santo Amaro. Foi neste momento que também deixou para trás o álcool e os vícios daquela vida insípida, solitária, que em nada fertilizavam a sua poesia. Pelo contrário, se trancafiar sozinho em um prédio, sempre à janela, sufocava cada partícula de lirismo que só pode ser alimentado pela vida que se vive com gosto, nas ruas. “O que me despertou em relação a essa mudança, a essa ruptura de tempo na minha vida, é que eu voltei a escrever com mais lirismo do que trash, né? Minha poesia, ela é muito trash, brincalhona, escrota, denunciativa; mesmo quando tem um pouco de lirismo, é mais assim, contestadora, verossímil, né?”, colocou.

“Então, tá acontecendo comigo o contrário. Eu estou morando no centro nervoso da cidade e me veio agora escrever com lirismo.” No meio de um cruzamento, no asfalto, entre as pessoas e os lugares que estão sempre em trânsito, ainda que estáticos, Miró cita Arnaldo Antunes em uma de suas intervenções: “Não precisa pressa / Todos os lugares estão parados”. 

O escritor diz não saber se ainda é poeta, porque não é poeta somente, mas se tornou um cronista, por exemplo, “de tanto, talvez, ver a dispersão do ser humano, naquela coisa triste que é a Praça Maciel Pinheiro, onde as pessoas moram na rua com cachorro e os filhos mamam com as mulheres na rua. Eles dormem na igreja, cheiram cola, estabeleceram que lá é o lugar deles. Hoje eu me considero mais um cronista que um poeta. Me vêm agora imagens líricas, de dor, de denunciar: você está vendo isso?”

Miró
Miró prepara as intervenções ainda em casa, na Rua da Alegria; depois cola pela Boa Vista
Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Hoje eu me considero mais um cronista que um poeta. Me vêm agora imagens líricas, de dor, de denunciar: você está vendo isso?


Nos confessou ainda que poderia ser um jornalista – e me entregou um poema-provocação numa das folhas de papel que espalha pela Boa Vista: “O que faz um jornalista sem notícias?” – de tanto que observa as cidades e seus viventes em suas poesias crônicas: os assassinatos e as peladas na periferia e as horas e os ônibus no centro; mas também as brigas e os baculejos no asfalto e os beijos e as balas no morro. Ou seja, “o deserto humano”, como o escritor classificou as vicissitudes de nossa espécie.

“Você já agradeceu a Deus por ter aberto os olhos?” ou “se no mundo não tivesse espelho?” são alguns questionamentos que Miró escreve com canetas hidrográficas coloridas numa folha de papel off-set antes mesmo de sair de casa – frases autorais ou não; inéditas ou já publicadas. Depois vai pra rua, onde faz umas cinco xerocópias de cada. Em seguida, distribui prosas poéticas pelas paredes, postes e pistas. “A ideia é que cada um tem sua noção diferente do que eu quis dizer. O que eu sinto nas pessoas é uma carência enorme de algumas palavras”, diz. 

Miró

Miró

Miró

A “praia” de Miró na Boa Vista é a Rua do Giriquiti. Foi lá que nasceu Amor à Primeira Vista: “Estou quase precisando usar óculos / De tanto olhar / Para a moça / Que segura a bandeira da ótica Diniz”. No mesmo local, depois de ter colado uma frase que recentemente ficou famosa no mundo virtual – beijar é melhor que revólver –, ele observou um casal. Depois de ver a intervenção literária, a moça beijou repentina e repetidamente o namorado e, segundo Miró, fez como se dissesse: “tá vendo? é melhor beijar do que você ter uma arma, do que brigar”.

Está na mente do poeta-cronista um novo título de livro: Vinte para Pensar um Pouco (na semana seguinte, o envelope que leva 22 folhas com as frases, foi rebatizado de Amanhã Não Existe Ainda). “Não vai haver nenhuma frase que eu vou colocar em parede para que o sujeito leia ‘ah, é! hoje é domingo’, ‘são sete e meia’, ‘o pastel daqui é bom’ ou ‘aqui o cigarro é mais barato’. Não. Não é isso. É pra ele rir, sair do rush da rua, da tristeza em que ele esteja. Que mexa com ele. É uma coisa para penetrar no outro ser, para que ele, dentro da cidade, ele vá pensando.”


Miró
No dia em que saiu com a nova publicação, artesanal, Miró provocou leitores com segredos
Kalor Pachec/JC 

Nas suas linhas já publicadas, Miró parece amigo de infância do Todo Poderoso: “Deus saiu pedalando sua bicicleta”, “Deus foi brincar de se esconder”. Agora diz que não é ateu ainda, pois acha que existe algo por trás. “Há uma confusão: se Deus gerencia esse universo em que agora estamos, ou se tudo não depende da gente.” Da gente ou de quem olha por nós. No caso de Miró, a sua mãe – para quem agradeceu ao céu e nosso encontro, coroado entre o pôr do sol e o nascer da lua, visto da varanda do 3º andar Edifício Texas, miolo da Boa Vista, quando disse: 

– Obrigado, Dona Joaquina!!!




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM