Jornal do Commercio
animal

Proteja seu animal do incômodo provocado por fogos de artifício

Animais possuem capacidade auditiva muito sensível e sofrem com fogos. Veja dicas para protegê-lo

Publicado em 16/06/2016, às 09h49

Cachorros são os animais que mais sofrem com fogos de artifício / Foto: André Nery/JC Imagem
Cachorros são os animais que mais sofrem com fogos de artifício
Foto: André Nery/JC Imagem
JC Online

Festa de São João rima com comidas típicas, feitas geralmente com milho, forró e fogos. Esses últimos, se não usados corretamente, podem causar acidentes sérios, como queimaduras. Mas o barulho produzido pelos fogos também são um verdadeiro martírio para os animais. Com uma capacidade auditiva muito sensível, os pets sofrem muito quando chega a época dos festejos juninos.

"Os animais sofrem com o barulho dos fogos porque o sentido da audição deles é muito mais sensível do que o homem. A frequência do som detectada pelo homem vai de 16 Hertz a 20.000; já a do cão, de 10 Hertz a 40.000", explica o veterinário Ricardo Rafael Cavalvanti.

Essa capacidade auditiva mais aguçada explica o fato de os cachorros latirem bastante quando escutam os fogos soltados durante as festas de São João. Além do barulho, o medo pode ser causado por outros fatores. “Recomendo sempre aos donos que deixem o animal em um lugar que ele já conheça e se sinta confortável. Apagar a luz pode ajudar a acalmá-lo”, afirmou Ricardo.

Há quem coloque algodão nas orelhas dos animais, sobretudo dos cães, para tentar amenizar o incômodo. Nos casos de animais que apresentam reações extremas, Ricardo Rafael orienta o uso do medicamento acepromazina ou acetilpromazina – tranquilizante específico para cães e gatos. “A dosagem é de uma gota do medicamento para cada quilo do animal, e deve ser feita antes da explosão dos fogos. Mas vale ressaltar que o uso deve ser prescrito pelo veterinário. É necessário um exame clínico no animal para saber se ele pode tomar a medicação. As contra-indicações são poucas, mas para animais com graves problemas cardíacos, por exemplo, não é recomendado o uso da acepromazina”, ressalta.

 

O canal no You Tube Dicas Boas para Cachorro fez um vídeo com um veterinário dando dicas do que pode se feito para amenizar o sofrimento dos bichinhos. Confira:

Veja dicas para melhorar o bem-estar do animal:

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM