Jornal do Commercio
tecnologia

Tablets e leitores digitais ameaçam a tinta e o papel

"É uma questão de tempo antes que a gente pare de cortar árvores e que todas as nossas publicações se tornem digitais", afirma o analista Tim Bejarin, presidente da Creative Strategies

Publicado em 13/12/2011, às 12h22

 / Foto: reprodução da internet

Foto: reprodução da internet

Da AFP

SAN FRANCISCO - Os tablets e os leitores digitais ameaçam tornar o papel obsoleto para os editores de livros, revistas e jornais, já que as pessoas cada vez mais se habituam a ler as notícias, romances e livros de referência em telas dos mais variados formatos.

"É uma questão de tempo antes que a gente pare de cortar árvores e que todas as nossas publicações se tornem digitais", afirma o analista Tim Bejarin, presidente da Creative Strategies.

Há quatro anos a gigante do comércio na internet Amazon popularizou a utilização de telas para a leitura de romances com o seu leitor, o Kindle. Depois, em 2010, a Apple atiçou um apetite insaciável por seus tablets iPad, ideais para devorar todos os formatos digitais, desde filmes até revistas e livros.

O aumento nas vendas dos leitores e tablets devem permitir que as vendas globais de livros digitais cheguem a 9,7 bilhões até 2016, triplicando o crescimento de 2011, de acordo com um relatório da empresa Juniper Research.

"O mercado para e-books está crescendo rapidamente, a velocidade da mudança comportamental do consumidor é medida em meses, em vez de anos", disse a vice-diretora executiva do Grupo de Estudo do livro (BISG), Angela Bole.

De fato, os leitores que provam o digital são rapidamente conquistados: quase metade dos compradores de livros em papel e digitais estão dispostos a desistir do papel, caso possam encontrar o que desejam em formato digital. Já as livrarias correm o risco de desaparecerem. Algumas tentam se defender adotando a tendência, como a Barnes & Noble com seu leitor Nook, ou a francesa Fnac com o Kobo by Fnac.

"Eu estou entre aqueles que pensam que o novo entusiasmo pelos e-books desenvolve no povo o interesse geral pela leitura", disse o analista Allen Weiner, da Gartner.

Estudos mostram que a posse de um leitor tende a aumentar o interesse pela leitura, uma boa notícia para os editores.

"Toda vez que motivamos as pessoas a lerem, independentemente da forma, desencadeamos o amor pela leitura", afirmou ele, convencido de que os livros em papel vão manter uma quota do mercado, como livros apreciados em casa.

"Será que isso vai forçar as editoras a pensarem diferente? Claro, mas esta não é a morte da edição impressa", disse.

Bajarin acredita que vai demorar pelo menos dez anos antes da tinta e o papel se tornem obsoletos. "Todas as pessoas com mais de 45 anos cresceu com este formato e, para muitos, ele será sempre o formato mais confortável". Para jornais e revistas, o prazo será mais curto.

"O papel vai desaparecer para jornais, as revistas terão que encontrar um equilíbrio entre o papel e o digital", previu Weiner.

Atualmente, os jornais gastam um monte de papel na impressão e distribuição, além disso, os artigos em papel não podem chegar ao leitor tão frescos como os que saem na internet.

Portanto, o grupo News Corporation lançou no início deste ano em Nova York um jornal concebido especificamente para o formato digital, o The Daily. Os jornais tradicionais melhoraram seus sites e lançaram edições sob medida para os leitores e tablets.

Em novembro, a Time Warner nomeou uma especialista em publicidade digital, Laura Lang, padroeira da Digitas (Publicis Group), para a gestão do grupo de mídia Time, o maior editor de revistas dos Estados Unidos. "As revistas ainda estão tentando entender como funciona o digital", disse Weiner.

Quanto aos grupos da internet, eles começam em formato de revista: o Yahoo! lançou no mês passado o Livestand, combinando imagens, textos estáticos e em movimento para o iPad. Ele concorre principalmente com o  Flipboard, que apresenta na forma de revista eletrônica várias seleções de artigos.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM