Jornal do Commercio
ENTREVISTA

Palestra da Campus Party discute o biohacking

Prática se refere a experimentos com biotecnologia feitos em casa

Publicado em 27/07/2012, às 09h06

Rodrigo Medeiros é um dos palestrantes que vão abordar o biohacking / Foto: Divulgação

Rodrigo Medeiros é um dos palestrantes que vão abordar o biohacking

Foto: Divulgação

Luísa Ferreira

Biotecnologia no quintal de casa. É isso que gente do mundo inteiro está fazendo, seja com objetivos práticos ou experimentais. O chamado biohacking, que tem poucos adeptos no País, será abordado pela primeira vez em uma edição brasileira da Campus Party. Às 18h desta sexta-feira (27) no Cenário Galileu, no Chevrolet Hall, Edson Barrus e Rodrigo Medeiros vão esclarecer o que é o biohacking, mostrar exemplos de dentro e fora do Brasil e apresentar o projeto Cão Mulato.

A seguir, confira entrevista com o designer de interação e pesquisador em visualização de informação e tecnologias livres Rodrigo Medeiros, curador do Cenário Galileu. No link Leia Também, veja a conversa com o zootecnicista e mestre em linguagens visuais Edson Barrus.

JC - O que você pretende abordar na palestra?

RODRIGO – Vou apresentar três projetos europeus, cada um com uma pegada diferente: um mais ligado à arte, outro à experimentação e outro à produção de design. A ideia é ver o papel do biohacking fora do país e mostrar o que é isso, já que ele é pouco compreendido aqui no Brasil.

JC – E como você define o biohacking?

RODRIGO – É como se os biohackers fossem biólogos de garagem, fazendo experimentações de biologia no esquema do faça-você-mesmo. 

JC - Essa ideia de que qualquer um pode manipular a vida costuma levantar polêmica, não é?

RODRIGO – É um assunto polêmico porque estamos trazendo uma discussão que era feita só em laboratório para a garagem de casa. Acredito que todo mundo deve ter acesso a essas tecnologias. Da mesma forma em que experimentamos e entendemos códigos para fazer software livre, etc., a ideia é entender um pouco mais a vida, o ser humano. Não estamos falando de grandes modificações. Não se trata de criar um laboratório gigante e mudar o mundo.

JC – O que os biohackers querem alcançar?

RODRIGO – O que eu tenho visto muito é experimentação artística. Tem uma artista plástica dentro de um grande laboratório trabalhando para fazer obra de arte a partir de modificações no DNA, por exemplo. Não consigo dizer qual é o objetivo imediato dessas pessoas e nem acho que esse seja o foco, acredito que é mais uma questão de experimentação mesmo.

JC – Qual a abrangência dessas práticas no Brasil?

RODRIGO – Aqui isso ainda é muito tímido. Tem casos com o de Edson, que é artístico, mas não são tão comuns. Esperamos conversar sobre isso, para quem sabe surgirem outras pessoas interessadas. 




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM