Jornal do Commercio
SEGUROS

Inversão de responsabilidade é considerado fraude pelas seguradoras

Em caso de acidentes de trânsito não assuma a culpa na tentativa de enganar a seguradora

Publicado em 05/03/2017, às 13h02

Corretor de seguros deve ser acionado para orientar o segurado / Tato Rocha/JC Imagem
Corretor de seguros deve ser acionado para orientar o segurado
Tato Rocha/JC Imagem
Sílvio Menezes
Editor de Veículos

Imaginemos a cena: você vem no seu automóvel por uma movimentada avenida e, de repente, aparece uma moto fazendo barbeiragem ou mesmo um carro desgovernado e bate no seu veículo. Ao ver o tamanho do estrago, o responsável por causar a colisão diz que não pode arcar com o conserto, mas, depois de descobrir que seu automóvel está segurado, ele amolece e propõe pagar a sua franquia desde que você aceite assumir a culpa. Para não ficar completamente no prejuízo, o senhor topa o “acordo” e, caladinho, transfere a conta da irresponsabilidade de um condutor para a companhia de seguros com o intuito de se livrar do abacaxi. O que parece ser algo normal para muitos é, na verdade, um crime de estelionato que pode render até cinco anos de prisão para os envolvidos na trama.

A tal “inversão de responsabilidade” é bem comum no dia-a-dia e causa um rombo bilionário para os cofres das seguradoras e também aos donos de carros em geral como eu e você, que precisamos contratar a proteção. Estimativas de especialistas do setor apontam que ainda hoje 30% dos pagamentos de indenizações são revertidos para pedidos fraudulentos e esse tipo de manobra figura entre os casos mais comuns. E isso na prática quer dizer prejuízo para todos a cada ano.

“As pessoas precisam entender que estão cometendo um delito. Não tem porque assumir a culpa de ninguém. O cidadão de bem, muitas vezes, pode ser levado pela emoção e a aparente vantagem vai se transformar num problema para o resto da vida”, alerta Múcio Novaes, presidente do Sindseg N/NE, entidade que representa as companhias seguradoras em Pernambuco. O executivo lembra que a fraude não afeta apenas as companhias. Tem interferência direta no preço das apólices que os proprietários de veículos pagam anualmente.

SEGURADORAS

O discurso de preocupação com as fraudes do presidente do Sindseg N/NE é semelhante ao do diretor da Federação Nacional dos Corretores de Seguros Carlos Valle. Segundo ele, as empresas repassam os custos para o consumidor final. “Tudo interfere na composição do preço para o dono do carro. Se as companhias não tivessem de bancar toda a fraude, os valores certamente seriam menores para os consumidores”, argumenta Valle.

O titular da Delegacia de Repressão em Estelionato em Pernambuco, Rômulo Aires, diz que o dono do veículo que faz esse tipo de comunicado de “causador da colisão” pode ser facilmente enquadrado em crime de estelionato. Basta que a seguradora faça a denúncia e se cheguem a provas contra os suspeitos.

De acordo com o policial, o proprietário do automóvel pode ser indiciado se estiver induzindo a companhia de seguros ao erro fazendo uso de artifícios ilegais para tirar alguma vantagem. Segundo o delegado Rômulo Aires, se o fraudador for culpado por crime de estelionato pode ser condenado a penas que variam de três a cinco anos de prisão.

 

Recomendados para você


Comentários

Por Silvio Barone Lopes,18/07/2017

Quando há colisão sem vitima a polícia não vem, os condutores precisam ir a um posto policial para fazer o boletim de ocorrência. Aí, cada um narra o episódio do seu jeito, é a palavra de um contra a do outro. O que fazer?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM