Jornal do Commercio
renovação

Renault deixa 'varejão' para falar de design

A companhia está deixando de lado o estilo 'varejão' da comunicação – mais focada em preço e promoções – para priorizar os diferenciais de seus veículos

Publicado em 13/03/2017, às 10h34

O Kwid chegará para substituir o veículo de entrada Clio  / Foto: Divulgação
O Kwid chegará para substituir o veículo de entrada Clio
Foto: Divulgação
Estadão Conteúdo

Mesmo depois de dois anos seguidos de queda no mercado de veículos, que perdeu quase metade das vendas em 2015 e 2016, a Renault está apostando em uma renovação quase completa de sua linha de produtos. Além do utilitário Captur, lançado recentemente, a companhia francesa tem outras novidades previstas para 2017, entre elas o Kwid – que chegará para substituir o veículo de entrada Clio – e o Koleos, que concorrerá com os SUVs de luxo, que hoje custam mais de R$ 100 mil.

Para apresentar as novidades e também investir na criação de uma percepção maior de valor dos produtos da montadora, a companhia está deixando de lado o estilo "varejão" da comunicação – mais focada em preço e promoções – para priorizar os diferenciais de seus veículos. "Nosso objetivo é lançar produtos em segmentos que vão nos ajudar a ganhar mais market share (participação de mercado) e falar sobre o design europeu adaptado ao Brasil", explica o presidente da Renault no Brasil, Fabrice Cambolive.

Renault afirma que conseguiu ganhar fatia de mercado brasileiro

Apesar de o mercado ter tido retração de mais de 20% em 2017, a montadora afirma que conseguiu ganhar fatia de mercado. Segundo dados da empresa, a participação da Renault atingiu um pico desde a entrada da companhia no mercado brasileiro, com 7,5% das vendas totais de veículos leves no ano passado – alta de 0,2 ponto porcentual ante 2015. Em 2010, a fatia da empresa não chegava a 5%.

Design. Uma campanha da Renault que estreia hoje tenta "traduzir" essa nova fase da marca. O filme, criado pelo presidente da Neogama, Alexandre Gama, foi produzido no Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ), e mostra o Captur passeando pelas famosas rampas criadas pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Os carros, que antes quase sempre apareciam nas ruas, agora ganham um novo ambiente: interagem com obras de arte e se integram a elas.

Segundo o publicitário, ter uma série de novos produtos ajuda o trabalho de comunicação – já que sempre há notícias para dar ao consumidor. "Estamos buscando uma linguagem renovada para o novo portfólio de produtos", diz Gama. Segundo ele, no caso da Renault, os investimentos em publicidade têm a intenção de ampliar os domínios da marca, apresentando resultados concretos. "Temos muita liberdade para trabalhar, mas somos cobrados pelo market share." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.
#PeloCaminhar #PeloCaminhar
Mais do que mobilidade, caminhar também é apropriar-se da cidade. Mas o caminhar está difícil. A mobilidade a pé necessita de uma infraestrutura própria, decente, que eleve o pedestre ao posto maior. Por isso o JC lança a discussão #PeloCaminhar.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM