Jornal do Commercio
renovação

Renault deixa 'varejão' para falar de design

A companhia está deixando de lado o estilo 'varejão' da comunicação – mais focada em preço e promoções – para priorizar os diferenciais de seus veículos

Publicado em 13/03/2017, às 10h34

O Kwid chegará para substituir o veículo de entrada Clio  / Foto: Divulgação
O Kwid chegará para substituir o veículo de entrada Clio
Foto: Divulgação
Estadão Conteúdo

Mesmo depois de dois anos seguidos de queda no mercado de veículos, que perdeu quase metade das vendas em 2015 e 2016, a Renault está apostando em uma renovação quase completa de sua linha de produtos. Além do utilitário Captur, lançado recentemente, a companhia francesa tem outras novidades previstas para 2017, entre elas o Kwid – que chegará para substituir o veículo de entrada Clio – e o Koleos, que concorrerá com os SUVs de luxo, que hoje custam mais de R$ 100 mil.

Para apresentar as novidades e também investir na criação de uma percepção maior de valor dos produtos da montadora, a companhia está deixando de lado o estilo "varejão" da comunicação – mais focada em preço e promoções – para priorizar os diferenciais de seus veículos. "Nosso objetivo é lançar produtos em segmentos que vão nos ajudar a ganhar mais market share (participação de mercado) e falar sobre o design europeu adaptado ao Brasil", explica o presidente da Renault no Brasil, Fabrice Cambolive.

Renault afirma que conseguiu ganhar fatia de mercado brasileiro

Apesar de o mercado ter tido retração de mais de 20% em 2017, a montadora afirma que conseguiu ganhar fatia de mercado. Segundo dados da empresa, a participação da Renault atingiu um pico desde a entrada da companhia no mercado brasileiro, com 7,5% das vendas totais de veículos leves no ano passado – alta de 0,2 ponto porcentual ante 2015. Em 2010, a fatia da empresa não chegava a 5%.

Design. Uma campanha da Renault que estreia hoje tenta "traduzir" essa nova fase da marca. O filme, criado pelo presidente da Neogama, Alexandre Gama, foi produzido no Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ), e mostra o Captur passeando pelas famosas rampas criadas pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Os carros, que antes quase sempre apareciam nas ruas, agora ganham um novo ambiente: interagem com obras de arte e se integram a elas.

Segundo o publicitário, ter uma série de novos produtos ajuda o trabalho de comunicação – já que sempre há notícias para dar ao consumidor. "Estamos buscando uma linguagem renovada para o novo portfólio de produtos", diz Gama. Segundo ele, no caso da Renault, os investimentos em publicidade têm a intenção de ampliar os domínios da marca, apresentando resultados concretos. "Temos muita liberdade para trabalhar, mas somos cobrados pelo market share." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM