Jornal do Commercio
LANÇAMENTO

Honda apresenta o seu novo carro: WR-V

O SUV da montadora japonesa tem preço na faixa de R$ 80 mil e chega às lojas dia 24

Publicado em 15/03/2017, às 17h23

O carro tem semelhanças com o FIT, mas é mais alto em relação ao solo / Divulgação
O carro tem semelhanças com o FIT, mas é mais alto em relação ao solo
Divulgação
EDILSON VIEIRA

FOZ DO IGUAÇÚ (PR) - A família de utilitário esportivo da Honda cresceu. Depois do grandalhão CR-V, e do sucesso de vendas HR-V, é a vez do WR-V - um projeto brasileiro que será feito em nosso País e vendido para a América Latina e fabricado também na Índia. O carro chega às concessionárias do Recife dia 24 próximo em duas versões. A mais barata, EX, tem preço de R$ 79.400. O modelo mais caro, o EXL, custa R$ 83.400.

HONDA

As diferenças entre as duas são pequenas. A EXL oferece a mais apenas dois airbags de cortina e central multimídia com GPS e uma tela de 7 polegadas sensível ao toque. No mais os carros são iguais. A mecânica é a mesma nas duas versões: motor 1.5, de 116 cavalos de potência, e câmbio automático CVT. Direção elétrica, ar-condicionado e rodas aro 16 são de série. Não existe WR-V com câmbio manual e nem com bancos de couro. Os assentos são sempre de tecido, mas o material é de boa qualidade e confortável.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Dirigir o novo WR-V me fez lembrar de um amigo, proprietário de um Honda Fit. Ele costumava dizer: “o Fit é um carro muito bom, mas ainda é baixo para andar nessas ruas cheias de lombadas e buracos”. Pois até parece que a Honda fez o WR-V pensando nesse meu amigo e em todos que moram em cidades com vias malconservadas. O novo carro da Honda foi apresentado como um projeto totalmente novo. Mas é difícil não associá-lo ao conhecido Fit. E isso não é um defeito do carro. A semelhança está no visual do WR-V, mas também nas qualidades. Bom espaço interno e gostoso de dirigir. Mas é preciso se acostumar com a “preguiça” do câmbio CVT que acelera de forma suave demais, dando a impressão que o veículo é lento. O lado bom da condução é a suspensão elevada e reforçada e altura do solo de 20 cm do WR-V.

Firme, mas ainda confortável, a suspensão deixa o motorista mais à vontade para superar as dificuldades do caminho. O WR-V vai cumprir bem o seu papel de ser uma porta de entrada para o mundo dos SUVs. 

CONCORRENTES

Apesar de chegar com todo o respaldo e prestígio da montadora em nosso País, o Honda não vai encontrar moleza. Isso porque o segmento de SUVs é um dos mais aquecidos. Por ficar numa faixa de preço entre o Fit e o HR-V, o novo WR-V vai acabar tendo de disputar com nomes consagrados da concorrência que têm preços entre R$ 70 mil e R$ 90 mil. E a lista é enorme. Temos um equilíbrio técnico enorme. Uns têm mais espaço interno; outros apelam para um desempenho e há aqueles que valorizam o visual. Mas a verdade é que o Honda termina brigando com algumas versões do Renault Duster, Nissan Kicks, Hyundai Creta, Jeep Renegade, Peugeot 2008 e o Ford EcoSport (que vai mudar em breve).

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Sávio,16/03/2017

Para mim é 4x4 ou não é

Por Gomes ,16/03/2017

Este é mais um CROSSOVER: um carro comum fantasiado de SUV. SUV significa utilitario esportivo e esta enxurrada de "SUVs" é mais uma enrolada da industria automotiva. Mas tem quem pague, então está tudo certo. Enquanto isso os norte-americanos, que nao sao otarios, andam realmente de SUV a precos iguais a carros comuns daqui da banania. Até uno está sendo vendido no Uruguai como "suvinho". Eita bando de sul-americanos otarios!!! ha ha ha



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM