Jornal do Commercio
MERCADO

Carros em falta nas lojas é outro lado do mercado automotivo

Alguns modelos específicos demoram até meses para serem entregues

Publicado em 20/04/2017, às 08h29

Toyota SW4 é exemplo de carro muito procurado com pouca oferta / Divulgação
Toyota SW4 é exemplo de carro muito procurado com pouca oferta
Divulgação
Editoria de Veículos

O mercado automotivo do País registra quedas de vendas todo mês, mas você sabia que, mesmo com a crise econômica, ainda existem veículos em falta nas concessionárias? Parece contraditório, mas é a pura verdade. Dependendo da cor, da versão e modelo pretendidos, o motorista pode esperar até quatro meses para levar seu zero-quilômetro para casa. O fenômeno de procura elevada é visto principalmente entre os utilitários esportivos, mais conhecidos por SUVs. E um desses queridinhos do momento é o Jeep Compass. Lançado há um ano, o veículo produzido em Pernambuco é um dos mais desejados do mercado. A configuração mais barata você até pode encontrar com certa facilidade, mas as intermediárias são bem disputadas e para garantir um desses o motorista precisa dar um sinal em dinheiro e entrar para uma fila de espera que pode passar dos 100 dias, no caso de um modelo específico e repleto de acessórios, como o que vem com teto solar.

O Jeep não é o único. Até mesmo o Honda HR-V, lançado há dois anos, exige paciência do interessado que quer ter um deles na garagem. No ano passado a espera podia chegar a cinco meses porque a produção não atendia a demanda. O tempo médio dado hoje na loja varia de 30 a 45 dias, se for do jeitinho que o motorista sonhou. O problema é maior para quem quer um modelo com câmbio mecânico. A fábrica destina apenas 1% do total de sua produção e as lojas se quer têm essa opção nos estoques. E quem quiser vai ter de esperar mais porque a oferta é bem menor.



MERCADO AUTOMOTIVO

Até mesmo a Toyota passou por isso recentemente com seu SUV SW4. Ele custava na faixa dos R$ 250 mil e ainda assim o comprador precisava esperar meses até receber o carro. Hoje quem quiser um Toyota SW4 numa cor mais procurada ou a versão mais completa de sete lugares precisa aguardar mais do que quem vai atrás da configuração de cinco lugares. As razões para a ocorrência dessas situações são diversas. Isso acontece porque as revendas não fazem estoque de carros e vão trabalham suas solicitações junto à fábrica de acordo com a demanda de clientes. Uma situação comum é aquela em que a marca lança o produto e não abastece a rede de concessionárias como deveria e inicia as vendas. Os clientes vão até lá para conhecer o veículo, fecham o negócio, mas precisam esperar. Esse processo vai depender de cada marca.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Uma causa comum para justificar o atraso ou demora na entrega é o problema da fábrica com fornecedores de equipamentos. A Volkswagen recentemente ficou com milhares de carros estocados em seus pátios porque teve problemas com o fornecedor de bancos. Os carros estavam prontos esperando apenas os assentos e o comprador teve de esperar meses até a pendenga ser resolvida. É bom lembrar que há casos onde o cliente recebe o seu carro bem antes do prazo estipulado pelo vendedor. É que também é comum a fábrica enviar algumas unidades a mais para determinadas lojas ou mesmo compradores que estavam na fila de espera de compra desistem (por razões diversas) e cede a vez para quem está logo atrás.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM