Jornal do Commercio
SERVIÇO

Como cuidar da suspensão do carro

Responsável pelo conforto e pela segurança o sistema de suspensão precisa de atenção permanente

Publicado em 20/04/2017, às 14h38

Trafegar em pisos ruins acelera o desgaste dos componentes da suspensão / Divulgação
Trafegar em pisos ruins acelera o desgaste dos componentes da suspensão
Divulgação
Edilson Vieira
Repórter de Veículos

Quando o carro é novo, não tem problema. Nada de barulhos estranhos vindos da suspensão, nem mesmo quando se trafega em pisos ruins como as ruas calçadas com pedras. Mas, basta o veículo ser um pouco mais rodado para começar a aparecer estalos e pancadas. “Passados os 40 mil km é bom ficar atento a esses sinais. Continuar usando peças desgastadas ou com problemas pode comprometer o funcionamento de outros componentes e até prejudicar a segurança”. O alerta é de Marcelo Farias, professor de mecânica.

O sistema de suspensão do carro tem basicamente três funções: dar estabilidade ao veículo, suportar o peso transportado (incluindo carga e passageiros) e ainda “filtrar” as imperfeições do piso transmitindo o mínimo possível de balanço para a carroceria. A suspensão é formada pelo conjunto de pivôs, buchas, bandejas, molas e amortecedores. Mas envolve também outros “agregados”, como caixa de direção e até rolamento das rodas. Cada um tem uma função específica, mas como trabalham interligados, o desgaste de uma peça vai afetar as outras. “Esse é o perigo do motorista adiar a troca de um pivô de suspensão, por exemplo.



SUSPENSÃO

Uma pecinha de borracha que se estraga e pode comprometer a balança e até molas e amortecedores”, ressalta o especialista. E é bom ficar atento a esse detalhe. Para trocar o par de pivôs da suspensão de um carro popular o motorista gasta em torno de R$ 150 a R$ 200. Já para fazer o serviço de toda a suspensão o valor sobe para cerca de R$ 1.000. Para evitar o gasto desnecessário o motorista precisa ficar atento. O negócio é observar os primeiros sinais de desgaste dos componentes e efetuar a troca preventivamente. Mesmo que o carro não apresente problemas. Se o veículo já tiver rodado cerca de 40 mil km ou levou uma pancada forte ao passar por um buraco, por exemplo, vale a pena levar até a oficina para uma inspeção mais detalhada, que é feita levantando-se o automóvel no elevador.

Infográfico

CUIDADOS SUSPENSÃO CARRO

Se o motorista escuta um estalo ao enrolar toda a direção para um dos lados e arrancar, pode ser sinal de pivô, bandeja e bucha com desgaste. Já se o balanço é acentuado nas curvas ou ao passar por uma lombada, é bom verificar estado de molas e amortecedores. De qualquer forma, Marcelo Farias recomenda que, depois de fazer qualquer serviço na suspensão do veículo, é preciso refazer o balanceamento e alinhamento das rodas. 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM