Jornal do Commercio
Conforto

Cresce procura por carros automáticos. Veja os mais baratos do País

Os veículos sem pedal de embreagem estão ficando cada vez mais populares no Brasil

Publicado em 16/07/2017, às 12h02

O modelo Fiat Mobi é o mais barato da categoria no País. O carro substituiu a alavanca de marcha por teclas / Divulgação
O modelo Fiat Mobi é o mais barato da categoria no País. O carro substituiu a alavanca de marcha por teclas
Divulgação
JC Online

Os números de motoristas que estão optando por veículos automáticos aumentam cada vez mais. O motivo é simples. Além do conforto para quem dirige, o carro sem embreagem – que antes só era possível para compradores de modelo de luxo – está virando tendência no segmento de populares. Os principais fabricantes têm um representante de automático numa faixa de preços entre R$ 45 mil e R$ 60 mil.

No ano passado, pesquisa feita por uma montadora japonesa apontou que 40% dos compradores de carros populares no Brasil gostariam de ter um veículo automático e, entre os que já têm, 95% não voltariam a ter um automóvel. Outro dado: a oferta de câmbio automático entre os sedãs quadruplicou nos últimos anos.

Muito mais que uma moda passageira, o automático (ou automatizado) está ganhando terreno e veio para ficar.  E se você está entre os que pretendem comprar seu primeiro automático é bom ficar atento a alguns detalhes e fazer um bom negócio. Há diferenças entre preços e funcionamento dos sistemas.

A caixa de marcha do tipo automatizada é mais barata, acrescentando cerca de R$ 3 mil ao preço da versão manual. Enquanto as do tipo automáticas são mais caras, custando cerca de R$ 5 mil. O câmbio automatizado custa menos porque se trata de um mecanismo mais “simplificado” e, por isso mesmo, menos preciso, fazendo o carro “soluçar” um pouco entre a passagem de uma marcha para outra. Já o automático genuíno é mais sofisticado e normalmente conta com um gerenciamento eletrônico. A troca de marchas praticamente não é sentida pelo motorista. Para quem for comprar um automático, ou automatizado, é bom ainda se livrar de alguns mitos a respeito. Por exemplo: não é verdade que os carros automáticos consumam muito mais combustível. Isso acontecia antigamente, quando os automáticos tinham só três marchas. Atualmente existem sistemas de até nove marchas, o que influi diretamente para reduzir o consumo. Quanto mais marchas, o câmbio automático tiver, mais eficiente será.



Quanto à manutenção, é bom ler o manual do veículo para saber que tipo de inspeção periódica é necessário fazer. Alguns modelos pedem verificação e até troca do óleo do câmbio; outros usam lubrificante do tipo permanente, que não precisa substituição durante a vida útil do veículo.

Outra dica importante é sobre o período de adaptação que o motorista deve ter ao passar a dirigir com câmbio automático. Para quem sempre pilotou carro com câmbio manual o ideal é que o motorista passe algumas semanas guiando em situações mais amenas, como nos finais de semana. A ideia é evitar o tráfego pesado até se acostumar com as reações do carro. Cresce procura pelos carros automáticos. Conheça os mais baratos da categoria.

PREÇOS

1 Fiat Mobi Drive GSR automatizado R$ 45.450
2 VW Move up! I-motion automatizado R$ 51.190
3 Toyota Etios X 1.3 automático R$ 51.610
4 Kia Picanto 1.0 automático R$ 51.990
5 VW Gol Comfortline automatizado R$ 53.029
6 Uno Way 1.3 Dualogic Flex automatizado R$ 54.430
7 Ford New Fiesta SE Plus Direct 1.6 automático R$ 55.990
8 Chevrolet Onix 1.4 LT AT automático R$ 56.190
9 Toyota Etios Sedan X automático R$ 56.370
10 Hyundai HB20 Gamma 1.6 automático R$ 56.880


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM