Jornal do Commercio
SERVIÇO

Cuidados ao instalar bancos de couro no carro

A forração de couro proporciona mais conforto e valoriza o veículo, porém deve ser bem executada

Publicado em 13/08/2017, às 14h27

É preciso ficar atento ao tipo de material utilizado pela capotaria / Divulgação
É preciso ficar atento ao tipo de material utilizado pela capotaria
Divulgação
Edilson Vieira
Repórter de Veículos

Não é só pelo “status”. Colocar banco de couro no automóvel é ganhar em conforto e agregar valor ao veículo, principalmente na hora da revenda. Tem ainda a questão da higiene. É bem mais fácil limpar um assento de couro do que um forrado de tecido que está mais sujeito a manchas, desbotamento da cor e a reter odores. Mas, se o banco de couro não vem instalado de fábrica no veículo o jeito é procurar o serviço de uma boa capotaria. Aí é que a coisa pode complicar. Se o trabalho for mal feito, em vez de conforto, o banco pode virar fonte de incômodo, sem falar no prejuízo.

Em princípio, qualquer carro pode receber a forração de couro nos bancos, diz Leonardo Moreno, proprietário da Leo Couros, empresa do Recife que trabalha com forração automotiva há 35 anos, mas é bom conhecer alguns detalhes para não contratar um serviço de baixa qualidade. O primeiro cuidado é com o tipo de material que deve ser empregado. “Alguns profissionais chegam a utilizar o couro sintético residencial, aquele utilizado em sofás, só para baixar o custo”, explica Leonardo. O resultado, segundo ele, é que a durabilidade da forração cai muito. Enquanto um couro sintético automotivo tem vida útil de cerca de três anos, o sintético residencial não chega a um ano, disse o comerciante. Outra dica importante: o termo “couro ecológico” está proibido por lei de ser utilizado. Ou é couro sintético (artificial) ou é couro natural (de origem animal). Mas um ou outro deve ser para uso automotivo.



COURO

Capotarias que usam de má fé e aplicam couro sintético residencial nos bancos dos carros cobram entre R$ 500 e R$ 600 para o jogo de bancos. A forração de couro sintético automotivo custa em torno de R$ 800 e a de couro natural é mais cara, sai por R$ 1.500 em média. Uma forma de observar se a forração é bem feita é saber qual tipo de espuma a capotaria utiliza por baixo da capa de couro. Se for uma espuma de baixa densidade, ela fica com marcas assim que o usuário senta no banco. O ideal é a capotaria usar uma espuma de maior densidade, como a D33, utilizada em colchões ortopédicos.

Infográfico

BANCOS DE COURO 2017

Outro cuidado importante é em relação a carros que tem airbags laterais instalados nos bancos, como alguns modelos do VW Golf e Tiguan e Toyota Corolla. Nesse caso, existe um tipo de capa de couro especial que permite a deflagração do airbag, em caso de acidente com o veículo. Se for colocada uma capa de couro comum, o airbag lateral pode não funcionar como deveria, alerta Leonardo Moreno. Veja mais dicas clicando no infográfico desta matéria.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM