Jornal do Commercio
MERCADO

Concorrência no mercado automotivo aumenta com novos modelos

Hatch, SUV e compactos são os segmentos mais disputados no mercado de carros novos

Publicado em 05/11/2017, às 09h06

VW Polo foi um dos principais lançamentos do ano e rivaliza com o Fiat Argo / Divulgação
VW Polo foi um dos principais lançamentos do ano e rivaliza com o Fiat Argo
Divulgação
Editoria de Veículos

O Brasil recebeu uma enxurrada de lançamentos nos últimos meses e a entrada desses novatos nas concessionárias mexeu no ranking de emplacamentos. Em cada categoria (SUVs, hatches, sedãs e picapes) existe uma disputa grande e os recém-chegados vêm se destacando por travarem um duelo particular por espaço com grandes rivais. Comecemos pelos populares. O Renault Kwid é pequeno, mas fez um barulhão para incomodar o rival Fiat Mobi. E o carrinho da Renault chegou, chegando. Já no primeiro mês de vendas cheias conseguiu emplacar muitos veículos e até ocupou a invejável posição de segundo carro mais vendido do País. Mês passado teve uma quedinha, mas segue vendendo bem.

No mercado nacional, um conflito bem esperado será do Argo e do Polo. Quem vai levar a melhor? Ainda é cedo para dizer. Os hatch médio da Fiat desembarcou por aqui em junho e o Polo só vai começar a vender agora pra valer. O resultado para saber quem vai andar na frente vamos ter de esperar um pouco mais, mas indiscutivelmente o páreo é duro. Em comum, os adversários possuem ampla gama de versões, boas opções de motores e preços parecidos: entre R$ 50 mil e R$ 75 mil. Não podemos esquecer de que eles terminam brigando ainda com algumas configurações mais caras do Chevrolet Onix e Hyundai HB20.



MERCADO

Na ala dos sedãs, a disputa é bem conhecida. Toyota Corolla (que continua acompanhando a briga dos rivais pelo retrovisor) e Honda Civic e Chevrolet Cruze. Subindo um degrau para a categoria dos SUVs a briga é mais acirrada já que este mercado anda em franca expansão, mesmo em época de vendas em baixa. Não só aquela dos utilitários esportivos numa faixa de valores entre R$ 80 mil e R$ 110 mil, que conta com uma dezena de boas opções a exemplo do Ford EcoSport, Renault Captur e Duster, Hyundai Creta, Chevrolet Tracker, Jeep Renegade, Peugeot 2008 e Honda HR-V e WR-V.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Estamos nos referido aquela disputa de um patamar acima. Os modelos ali na casa dos R$ 150 mil. O Jeep Compass, que tem se destacado pelo conjunto, vai ter um concorrente à altura a partir deste mês. O Chevrolet Equinox, substituto do Captiva, apela para o super pacote tecnológico, como dispositivo que permite abrir a tampa da mala por um sensor e um motorzão a gasolina 2.0 turbo, de 262 cavalos de potência, o mesmo usado em versão mais comportadas do Camaro nos Estados Unidos. Como resposta o Compass conta com sua extensa gama, de configurações a gasolina e diesel. O modelo produzido em Pernambuco não para de ganhar fãs em todo País e até segue como o líder dos SUVs em todo território nacional. Quem vai vender mais? Para o consumidor não interessa muito. O certo é que a concorrência traz para o motorista cada vez automóveis melhores e mais completos.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM