Jornal do Commercio
Opinião

Gestão eficiente reduziria problemas de trânsito

Pelo menos 50% dos problemas podem ser resolvidos sem nenhum investimento. Basta querer fazer

Publicado em 03/07/2012, às 16h58

Oscar Rache Ferreira

Penso que somente a força do 4º poder, a imprensa séria que temos, poderá resolver a onda de irresponsabilidade e desrespeito à população, que vem acontecendo em nossa terra. Muitas pessoas pensam que temos carros demais para as ruas e avenidas que temos, mas isto é so impressão. Existem cidades pelo mundo afora, e mesmo no Brasil, com mais carros por habitante que não têm os problemas que estamos vivendo. Nosso problema é simplesmente de gestão e decisão de resolver problemas. Pelo menos 50% dos problemas podem ser resolvidos sem nenhum investimento. Basta querer.

Outro dia demorei 50 minutos para ir do aeroporto ao meu escritorio, em Prazeres, na beirada da PE-08. Depois de construir dois enormes viadutos, 4 km de estrada com 5 faixas de rolamento e mais duas na via local, todas no mais perfeito concreto, os carros não podem passar porque no fim de tudo, a construtora deixou somente o espaço para um veículo, mesmo assim no acostamento e com buracos e buracos.

Esta situação ja perdura por cerca de três ou quatro meses. O espaço que precisa ser completado não tem mais do que 50 metros e repito, são mais de 4 km de estrada construída em mão dupla. Isto, no sentido Aeroporto-Suape. Incrivel é que no sentido inverso, Suape-Aeroporto, existe exatamente o mesmo problema no fim do viaduto. Também passagem para somente um veículo, num espaço de somente 20 metros.

Coincidência? Claro que não. A empresa é grande, sabe o que faz e tem recursos humanos e competência para resolver o problema em sete dias. Por que não faz? Não dá para saber se a maior irresponsabilidade e o desrespeito são da empreiteira ou do DER-PE, que aparentemente não toma sequer conhecimento e definitivamente, não toma  a menor providência. Por diversas vezes falamos com o DER, para informar e pedir providências.

É a mesma coisa que nada. Há poucos meses, simplesmente fecharam a entrada da rua que dá acesso a duas indústrias e mais um sem número de outros negócios, sem nenhum aviso, prévio e sem nenhuma sinalização de como as pessoas entrariam nas fabricas por caminhos alternativos. Nem vale a pena falar no problema da segurança, que ficou comprometido por uns tempos.

Até quando vamos ter que aguentar esta situação de desrespeito? Um mestre de obras, mesmo iniciante na carreira ou qualquer pessoa de bom senso sabe como resolver o problema, o que não demoraria mais do que poucos dias. Porque não se faz? Volto ao inicio. Penso que somente a força  da imprensa, que deve manifestar a inconformidade da população, poderá resolver o problema. Vamos aguardar.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM