Jornal do Commercio
Desrespeito

Água alaranjada nas torneiras em Camela

Apesar de pagar a conta em dia, consumidor recebe água inapropriada para consumo

Publicado em 20/09/2012, às 18h02

Roberto de Queiroz

A água da Compesa, em Camela, distritito de Ipojuca, está chegando às torneiras na cor alaranjada e com um mau cheiro de lama muito forte.

Isso ocorre porque o distrito não dispõe de uma estação de tratamento de água. A água é distribuída à população sem que passe pelo processo correto de tratamento: (1) tanque de armazenamento; (2) tanque de filtragem (de brita fina e areia); (3) tanque de decantação; (4) filtro mais moderno (carvão ativado / luz ultravioleta).

http://farm9.staticflickr.com/8297/8007276673_98131ff9f3.jpg

Ou seja, sem haver os estágios 2 e 3 de filtragem, esse último filtro não surte o devido efeito, resultando na água suja nas torneiras da população.

Solicito uma solução urgente da gerência executiva da empresa, alguém com os devidos poderes e obrigações de resolver o problema. Afinal, água alaranjada e malcheirosa não é água tratada. E eu pago em dia minhas contas de “água tratada”.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM