Jornal do Commercio
Notícia
precaução

Em meio ao desastre com óleo no Nordeste, Fernando de Noronha está sob monitoramento

Nesta sexta-feira (18), a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco informou que não há, até o momento, sinais de manchas de óleo nas praias do arquipélago

Publicado em 18/10/2019, às 21h35

Foi providenciado o envio de barreira de contenção para Noronha / Foto: Heudes Regis/Acervo JC Imagem
Foi providenciado o envio de barreira de contenção para Noronha
Foto: Heudes Regis/Acervo JC Imagem
JC Online

Atualizada no dia 19/10 às 12h01

Patrimônio Natural da Humanidade declarado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, e um dos destinos mais procurados, a ilha de Fernando de Noronha está sendo monitorada em meio ao desastre das manchas de óleo no Nordeste. A assessoria de imprensa Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas) informou, na noite desta sexta-feira (18), que não há, até o momento, sinais da substância nas praias do arquipélago. No entanto, já foi providenciado o envio do material necessário para que seja feita a instalação de barreira de contenção.

Em coletiva nesta sexta-feira (18), o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, José Bertotti, explicou que não há como prever a rota do óleo que afeta o Nordeste porque o governo federal ainda não identificou o local de onde o material está saindo.

"O governo federal não identificou de onde sai o óleo. Se eu identifico, eu sei por onde ele se movimenta pelas correntes. O que também não temos? Eles não estão monitorando o alto-mar, quem pode fazer isso é a Força Aérea. O governador hoje procurou o major-brigadeiro do comando aéreo daqui, que disse que não tinha autorização. Já solicitamos, por ofício, ao comandante da Força Aérea, para fazer o que já deveria ter sido feito, o monitoramento dessas manchas ainda em alto-mar. Se eu localizo e georreferencio, em tese, eu posso prever onde vai bater", disse.

Vistorias

A Administração do Distrito Estadual de Fernando de Noronha informou que, desde setembro, estão sendo realizadas vistorias em caráter preventivo nas praias da Área de Proteção Ambiental e também reforçou que, até o momento, não foram encontrados vestígios do óleo ou derivados. Além disso, informou que "o monitoramento será mantido, em permanente contato com a Capitania dos Portos de Pernambuco, a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade e a CPRH, além de providências para que sejam evitados eventuais danos".

A administração alertou para que, caso alguma pessoa aviste qualquer suspeita da substância nas praias ou adjacências da Ilha, entre em contato com a Superintendência de Meio Ambiente. O telefone para contato é o (81) 31829621.



Dano ambiental em Pernambuco

Entre a quinta (17) e esta sexta-feira (18), foram atingidos locais nas cidades de São José da Coroa Grande, Barreiros, Tamandaré e Sirinhaém, no Litoral Sul.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Praias

"Nesta sexta-feira (18), foram seis praias em Pernambuco: Carneiros e Boca da barra, em Tamandaré, Mucambinhas, em Barreiros, Ilha de Santo Aleixo, A Ver o Mar e Guaiamum, em Sirinhaém. Essas praias receberam o toque de óleo e foi feito o trabalho de contenção e limpeza", disse o secretário.

Rios

"Os rios Persinunga, em São José da Coroa Grande, e Una, em Barreiros, e Rio Formoso, em Tamandaré, sofreram também o toque de óleo. No caso do Persinunga e do Una, já há barreiras de contenção para que o óleo não alcance os estuários. Estamos trabalhando também com barreiras de contenção no Rio Sirinhaém e no Rio Maracaípe, em Ipojuca, onde ainda não houve chegada de óleo", explicou Bertotti.

Neste sábado (19), o trabalho de monitoramento com sobrevoo pelo Litoral Sul continua.

"Amanhã de manhã vamos fazer a mesma movimentação, assim que o sol raiar e o tempo permitir, um monitoramento de helicóptero para identificar os pontos mais sensíveis para que possamos agir", afirmou o secretário.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM