Jornal do Commercio
EDUCAÇÃO

Escolas terão assistentes de alfabetização a partir de abril

Profissionais vão ajudar os professores na tarefa de alfabetizar os alunos dos 1º e 2º anos do ensino fundamental

Publicado em 26/02/2018, às 20h00

Seminário ocorreu em Barreiros, na Zona da Mata Sul de Pernambuco / Foto: Guga Matos /  JC Imagem
Seminário ocorreu em Barreiros, na Zona da Mata Sul de Pernambuco
Foto: Guga Matos / JC Imagem
Da editoria de Cidades

Até o início de abril, professores de escolas públicas que lecionam em turmas dos 1º e 2º anos do ensino fundamental contarão com o apoio de assistentes de alfabetização. O Ministério da Educação (MEC) vai pagar R$ 150 pelo trabalho desses assistentes, por cada turma que eles auxiliarem. O dinheiro começará a ser repassado em março diretamente para as unidades de ensino. Serão beneficiadas, no País, 59.383 escolas, das quais 2.900 estão em Pernambuco. O anúncio foi feito nesta segunda-feira pelo secretário de educação básica do MEC, Rossieli Soares, durante o seminário Pernambuco pela Educação, realizado no auditório do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) de Barreiros, na Zona da Mata Sul.

A iniciativa integra o Programa Mais Alfabetização, que deve atender 4,2 milhões de estudantes brasileiros. Faz parte do Plano Nacional de Alfabetização, anunciado pelo MEC em outubro do ano passado. Quarta-feira, em Brasília, o ministro da Educação, Mendonça Filho, lançará, juntamente com o presidente da República, Michel Temer, outras ações do plano, desta vez com foco na formação de docentes. Uma delas será o Programa de Residência Pedagógica, dentro do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid).

“Vamos dinamizar a política de formação dos docentes. Historicamente, as formações não levam em conta os atores principais, os professores em sala de aula. Queremos mudar isso”, destacou Mendonça Filho. O objetivo é melhorar a formação dos futuros mestres. Nas universidades, os estudantes de pedagogia e licenciaturas passarão por estágios supervisionados. Outra novidade será um mestrado em alfabetização, exclusivamente para docentes que estiverem em sala de aula, no modelo semi-presencial. Está para ser aprovado pela Capes até abril, com início no segundo semestre.



ADESÃO

Rossieli Soares informou que somente o município de Carnaubeira da Penha não aderiu, em Pernambuco, ao Programa Mais Alfabetização. Todas as outras 183 cidades do Estado e o arquipélago de Fernando de Noronha firmaram convênio com o MEC. O prazo expirou semana passada. No País, 4.931 municípios aceitaram a ajuda do governo federal. “A ideia é que o assistente de alfabetização apoie o trabalho do professor. Quem vai definir como será a atuação do assistente é o professor”, observa o secretário do MEC. Cada assistente terá 5h semanais por turma. As escolas terão que fazer a seleção dos profissionais e monitorar a atuação deles, com repasse de informações regularmente para o MEC.

Caso a cidade tenha mais de 50% dos alunos com níveis insatisfatórios em leitura e escrita na Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), os assistentes vão dobrar a carga horária. De acordo com a última avaliação (2016), 54,73% dos estudantes acima dos 8 anos tiveram desempenho insuficiente em leitura no Brasil e 33,85% em escrita. “Devemos alfabetizar as crianças no 1º ano, aos 6 anos. Por que os filhos da elite das escolas privadas sabem ler aos 6 anos e os do pobre têm que esperar até os 8 anos? Está errado", comentou o presidente do Instituto de Corresponsabilidade pela Educação (ICE), Marcos Magalhães.

O seminário Pernambuco pela Educação foi realizado pelo Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. Teve o apoio da TV Escola e do Instituto Ayrton Senna, com a cooperação da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj). Aconteceram outros três encontros semelhantes, nas cidades de Caruaru, Petrolina e Goiana.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM