Jornal do Commercio
EDUCAÇÃO

Cresce Idepe do ensino médio, mas Pernambuco ainda tem 68% de escolas com nota menor que 5

Nota do Estado subiu de 4,5 para 4,7, de 2017 para 2018. Idepe é um índice calculado anualmente pelo governo estadual

Publicado em 08/08/2019, às 10h25

Escola Municipal José Benício Filho, de Panelas, ficou em primeiro lugar no Idepe / Foto: Bobby Fabisak / JC Imagem
Escola Municipal José Benício Filho, de Panelas, ficou em primeiro lugar no Idepe
Foto: Bobby Fabisak / JC Imagem
Margarida Azevedo

Instrumento de avaliação anual do governo do Estado, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica de Pernambuco (Idepe), cujos resultados de 2018 foram divulgados ontem, mostram o tamanho do desafio para melhorar o aprendizado dos estudantes pernambucanos. Embora a média geral da rede estadual no ensino médio tenha aumentado em relação a 2017 – passou de 4,5 para 4,7 – o Estado tem 68% das escolas (509 colégios dos 748 avaliados) com nota menor que 5. Nos anos finais do ensino fundamental (6ª à 9ª série), o percentual é maior: 74,3% das escolas estaduais (306 estabelecimentos de um universo de 412 avaliados) tiveram desempenho abaixo dessa média.

“Enquanto no Brasil o ensino médio aparece estagnado, em Pernambuco os indicadores mostram que estamos avançando. No Ideb, índice medido pelo governo federal, o País tem nota 3,5, enquanto nosso Estado ficou com 4. No Idepe, alcançamos 4,7. Mais de 90% das nossas escolas estaduais de ensino médio tiveram nota acima de 3,5. Mostra que há muito ainda a fazer, mas revela que estamos bem acima da realidade nacional”, comentou o secretário de Educação de Pernambuco, Frederico Amancio.

Ele ressalta que a maior parcela dos colégios avaliados do ensino médio ficou com Idepe entre 4 e 5: foram 343, ou 46%. Outro aspecto positivo destacado pelo secretário foi a diminuição, em um intervalo de dez anos (de 2008 para 2018), de 98% de escolas estaduais do ensino médio com nota menor que 3. “No primeiro ano do Idepe, em 2008, havia 575 colégios com esse resultado. Em 2014 caiu para 149. Agora em 2018 foram apenas 11”, comemorou Frederico Amancio. Nove colégios (1,45%) tiveram nota 7 ou mais (em 2008 não havia nenhum).

PREMIAÇÃO

A divulgação das notas do Idepe aconteceu no Palácio do Campo das Princesas, sede do Executivo estadual, no bairro de Santo Antônio, Centro do Recife. O governador Paulo Câmara, prefeitos, secretários municipais de Educação, gestores das Gerências Regionais de Educação (GRE), deputados e educadores participaram da cerimônia que premiou as escolas que mais se destacaram em 14 categorias.

Chamou a atenção o bom desempenho de colégios e GREs do interior. Em 10 categorias, os primeiros lugares ficaram com unidades de fora da Região Metropolitana do Recife. O Sertão pernambucano foi a região mais agraciada.

“Estamos melhorando a cada ano, os indicadores mostram isso. Aumentamos o Idepe e a taxa de aprovação, diminuímos o índice de abandono. Com mais gestão e parcerias, esperamos continuar nessa evolução, não só no Estado, mas também nos municípios. Essa premiação é uma forma de reconhecer o trabalho que vem sendo feito”, afirmou o governador Paulo Câmara.

Entre todos os colégios avaliados no Idepe, a maior nota ficou com a Escola Municipal Jose Benício Filho, de Panelas, no Agreste, nos anos iniciais do ensino fundamental: 8,74. “É o resultado de uma equipe, comprometimento de todos que fazem a escola, com apoio da Secretaria Municipal de Educação”, afirmou a gestora, Ednilza Santos. A escola tem 310 alunos.

Entre as unidades municipais de anos finais do fundamental, o primeiro lugar foi da Escola Milton Pessoa, de Triunfo, com 8,05. Na rede estadual, houve empate na média mais alta nessa etapa da educação básica: as Escolas Dário Gomes de Lima, de Flores; e Tomé Francisco, de Quixaba, ambas com 7,20. A Escola de Referência em Ensino Médio Cônego Olímpio Torres, de Tuparetama, ficou com a primeira colocação no ensino médio (nota 7,9).

"Fazemos o monitoramento dos resultados, projetos de leitura e de matemática. Há a participação dos alunos em olimpíadas. Isso contribui para o bom resultado no Idepe”, diz Ivan Nunes, gestor da Escola Tomé Francisco, de Quixaba.



"O segredo é ter toda a comunidade escolar empenhada. Alunos e professores dão o melhor de si, o que garante mais aprendizagem. As famílias ajudam”, conta Ana Lúcia Xavier, diretora da Escola Dário Gomes de Lima, de Flores.

BÔNUS

Escolas estaduais que cumprem mais de 50% das metas de melhoria nos resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica de Pernambuco (Idepe) recebem o Bônus de Desempenho Educacional (BDE). A premiação em dinheiro, paga pelo governo estadual desde 2015, vai ser liberada em setembro. O secretário estadual de Educação, Frederico Amancio, estima que para arcar com o 14º salário, como o BDE é chamado pelos professores, serão reservados cerca de R$ 20 milhões do tesouro estadual.

“Agora, com os resultados finais do Idepe, vamos observar as metas de cada escola, que são pactuadas com a Secretaria de Educação. O valor destinado a cada uma depende do percentual que ela atingiu”, explica Frederico Amancio. Além do prêmio, cada unidade recebe um relatório com o diagnóstico detalhado de como a escola foi no Idepe. Dessa forma, pode monitorar o desempenho dos seus alunos e investir onde o indicador mostrou fragilidades.

“Mais que os números, os índices mostram que estamos avançando todos os anos. Não tem mágica, e, sim, muito trabalho e o envolvimento de muita gente disposta a melhorar a educação pública de Pernambuco”, enfatiza o secretário. Segundo ele, está no planejamento da secretaria disponibilizar ainda este ano, no site do órgão, para qualquer pessoa, a consulta aos dados do Idepe. Hoje isso ainda não é possível.

RESULTADO

Anos iniciais do ensino fundamental - rede municipal

1º lugar - Escola Municipal Jose Benício Filho, de Panelas - Nota 8,74
2º lugar - Escola Municipal Benjamim da Mata Ribeiro, de Orobó - Nota 8,59
3º lugar - Escola Municipal Joaquim Nabuco, de Panelas - Nota 8,46

Anos finais do ensino fundamental - rede municipal

1º lugar - Escola Municipal Milton Pessoa, de Triunfo - Nota 8,05
2º lugar - Escola Municipal Antônio Medeiros, de Serra Talhada - Nota 7,77
3º lugar - Grupo Escolar Barra Azul, de Bonito - Nota 7,58

Anos finais do ensino fundamental - rede estadual

1º lugar - Escola Dário Gomes de Lima, de Flores; e Escola Tomé Francisco, de Quixaba - Nota 7,20
2º lugar - Não teve, segundo a Secretaria de Educação
3º lugar - Escola Iracema Moura de Moraes Veras, de Ibimirim - Nota 6,92

Ensino médio - rede estadual

1º lugar - Escola de Referência em Ensino Médio Cônego Olímpio Torres, de Tuparetama - Nota 7,90
2º lugar - Escola Julia Gomes de Araújo, de Tacaratu - Nota 7,58
3º lugar - Escola de Referência em Ensino Médio Carlos Soares da Silva, de Salgadinho - Nota 7,33

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM