Jornal do Commercio
Patrocinada JC 360

Desafios são cotidianos na Cesar School

Alunos participam da solução de problemas dentro de empresa

Publicado em 31/08/2019, às 08h23

Com aulas pela manhã e projetos em grupo à tarde, Cesar School garante formação integral de alunos. / Luisi Marques/JC360
Com aulas pela manhã e projetos em grupo à tarde, Cesar School garante formação integral de alunos.
Luisi Marques/JC360
JC Online

Como se diferenciar em um setor que já convencionou a tríade “ênfase tecnológica + inovação + gente” como fórmula para toda e qualquer situação? A formação integral, ao lado do desenvolvimento de habilidades interpessoais, da solução de problemas reais e do estudo com propósito, é a resposta da Cesar School, apresentada em sua graduação em Design.

E engana-se quem pensa que é um curso superior comum de design gráfico. Há disciplinas da área, sim, mas o conceito do bacharelado é mais amplo, comum a abordagem multidisciplinar e integrada. “Nossa metodologia é a PBL-Problem Based Learning. Simulamos uma residência médica: temos os clientes no Porto Digital e em diversas em presas do país; os professores e tutores, que são os profissionais; e os alunos, que são os residentes”, compara Felipe Furtado, diretor executivo da Cesar School.

Na prática, funciona assim: de manhã, os alunos de Design têm aulas do currículo regular e disciplinas nas turmas da graduação de Ciência da Computação, e vice-versa. À tarde, formam-se times mistos, com estudantes dos dois cursos, que são apresentados a problemas reais de empresas do mercado.

“São cursos com perfis complementares. Em design, temos o entendimento do problema, a concepção da solução, a prototipação e a validação. Os alunos de computação também participam dessa concepção e vão até o desenvolvimento da solução em si”, contextualiza Furtado.



Sendo uma turma de cada curso por semestre, as classes têm até 32 pessoas, para facilitar a interação e o trabalho em grupo. Anna Rafaela Carvalho, 19 anos, aluna do 3º período de Design, chegou à Cesar School depois de um ano e meio cursando Direito em outra instituição, mas sem ser e conhecer no que era proposto. “Na minha concepção, fazia design quem sabia desenhar. Mas entendi que há muito mais, e aqui é um curso de design de soluções. Em direito, não tive contato nenhum com a prática. Foi um choque muito bom, eu entrei e não pude ter dúvida. No primeiro semestre, você já sabe se quer ou não trabalhar com aquilo, porque de fato trabalha”, resume.

E a preparação para o mercado está na rotina da Cesar School. Inserida no ecossistema que colocou Pernambuco no mapa global de TI, o contato com as empresas é direto. “Nosso campus é o Porto Digital. Os professores sabem os problemas dos clientes no dia a dia, entendem a dificuldade para preencher vagas, veem o gap entre a formação tradicional e o que é exigido no mercado. Nossos alunos são capazes de pensar criticamente em busca de caminhos para um resultado eficaz, lidam com gestão de conflitos. E o feedback que temos é muito positivo”, comemora o diretor.

É o caso da Neurotech, que usa inteligência artificial para análise de dados e é uma das mais recentes parceiras da Cesar School. Os alunos estão envolvidos em seis desafios da empresa. “São problemas que ainda não conseguimos resolver. É um bom investimento, porque entendemos que, sem assumir riscos e sem buscar parcerias estratégicas, não avançamos e ainda corremos o risco de ficar para trás”, pondera o diretor Rodrigo Cunha.

Ter a resolução de problemas como prática cotidiana não assusta Anna Rafaela. “Entrei em direito querendo mudar o mundo, que é meio que querendo solucionar problemas. Mas percebi que não ia conseguir isso lá. O design é essa plataforma para mudar o mundo e sou feliz com o que estou fazendo”, sorri.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas



Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM