Jornal do Commercio
ENSINO SUPERIOR

MEC libera R$ 56 milhões para universidades e institutos de Pernambuco

Ministério repassou R$ 1,15 bilhão para instituições de ensino superior de todo o País

Publicado em 01/10/2019, às 09h44

UFPE teve R$ 24 milhões liberados do orçamento para custear despesas como energia, água e segurança / Foto: Passarinho / Ascom UFPE
UFPE teve R$ 24 milhões liberados do orçamento para custear despesas como energia, água e segurança
Foto: Passarinho / Ascom UFPE
Margarida Azevedo

* Com Agências 

Para alívio dos reitores das universidades e institutos federais, que estavam com contas vencidas ou prestes a vencer, o Ministério da Educação (MEC) anunciou nesta segunda-feira, último dia de setembro, o desbloqueio de R$ 1,15 bilhão do orçamento dessas instituições, retidos desde abril. O montante liberado para as três universidades e dois institutos situados em Pernambuco (UFPE, UFRPE, Univasf, IFPE e IF do Sertão) soma R$ 56,6 milhões. Para encerrar o ano, fica a expectativa de que o governo descontigencie os 15% da verba discricionária ainda retidos. O dinheiro é usado, por exemplo, para pagamento com segurança, limpeza, energia e água.

Os recursos anunciados para universidades e institutos integram um total de R$ 1,990 bilhão do orçamento do MEC liberado pelo governo. Foram desbloqueados também R$ 270 milhões para bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), R$ 105 milhões para o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e R$ 290 milhões para o Programa Nacional dos Livros Didáticos. A fatia destinada para universidades corresponde a 58% do total liberado.

Maior das instituições federais de ensino superior do Estado, com quase 50 mil pessoas entre docentes, alunos (graduação e pós) e técnicos, a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) teve R$ 24 milhões liberados. O uso de ar-condicionado nas salas de aulas e setores administrativos, suspenso em agosto, está autorizado. Também serão retomadas as aulas de campo.

“Dá um alívio grande pois agora temos a segurança de que a maioria das atividades acadêmicas previstas em outubro e novembro estão garantidas”, afirmou o pró-reitor de Planejamento, Orçamento e Finanças, Thiago Galvão. Apesar do desbloqueio de ontem, a UFPE permanece com outros R$ 24 milhões contingenciados.

Para a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), a União liberou R$ 12 milhões, sendo R$ 1,6 milhão para a Federal do Agreste, um desmembramento do câmpus de Garanhuns. “Com esse valor, totalizamos 80% do orçamento repassado pelo MEC. O dinheiro será suficiente para pagar as despesas de setembro e outubro”, explicou o pró-reitor de Administração, Mozart Oliveira.



Uma das situações mais críticas era da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), que tem câmpus em Pernambuco (Petrolina e Salgueiro), Bahia e Piauí. A instituição recebeu R$ 5,5 milhões.

“Estávamos chegando no limite. Informamos ao MEC que se não houvesse liberação até setembro nossa situação ficaria complicada. Negociamos com as empresas para a universidade não parar. Felizmente o repasse aconteceu no último dia do mês”, comentou o reitor em exercício, Télio Leite. Segundo ele, as contas de junho, julho e agosto estavam vencidas.

"Com o percentual desbloqueado, pagamos contas em atraso e outras de setembro. Mas tem que haver o descontigenciamento total”, destacou a reitora do IFPE, Anália Ribeiro. O instituto recebeu R$ 10.806.809,00. A prioridade será pagar serviços básicos de funcionamento, como água, energia, vigilância, terceirizados e aluguéis, além de assistência estudantil e refeitórios.

FUTURO

O MEC havia sido a pasta mais afetada, na Esplanada, com bloqueios de verba da ordem de R$ 5,8 bilhões. Segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, os R$ 3,8 bilhões ainda contingenciados poderão ser liberados até o fim do ano. “Está tudo dentro da normalidade, a crise está sendo deixada para trás com uma gestão eficiente”, destacou. Ele afirmou que a chance de descontingenciamento de novos recursos é maior caso a reforma da Previdência seja aprovada.

Os valores desbloqueados em Pernambuco, segundo o MEC

* Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) - R$ 5.537.770

* Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) - R$ 24.078.135

* Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) - R$ 10.575.049

* Universidade Federal do Agreste de Pernambuco (UFAPE)* - R$ 1.635.707

* Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) - R$ 10.806.809

* Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF Sertão) - R$ 4.008.309

* A UFAPE é uma nova universidade, criada a partir da unidade Garanhuns da UFRPE. Como o processo de desmembramento ainda não foi concluído (o MEC não indicou o reitor pró-tempore para iniciar o processo), a UFRPE ainda é responsável pelo gerenciamento do orçamento da UFAPE

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM