Jornal do Commercio
paralisação

Fim da greve dos técnicos das federais

Servidores das universidades federais devem voltar aos postos na quarta-feira

Publicado em 18/08/2012, às 20h48

 / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Do JC Online

Após 68 dias de paralisação, os servidores técnico-administrativos das universidades federais de todo o País devem encerrar o movimento. Reunião do comando de greve da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras (Fasubra), que reuniu representantes de todas as instituições federais, decidiu aceitar a proposta apresentada pela União. Segunda (20) e terça (21), a sinalização será repassada, através de assembleias, aos servidores de cada Estado. Na quarta-feira (22), será dada a resposta da categoria, indicando se aceitam ou não a proposta de 15% de reajuste salarial. A decisão, no entanto, não interfere na paralisação dos professores. Eles continuam parados por tempo indeterminado.

Caso os servidores técnico-administrativos aceitem a oferta, na segunda-feira (27) as atividades nas Universidades Federal e Rural de Pernambuco serão retomadas. Segundo o coordenador-geral da Fasubra, Gilbran Jordão, o índice de reajuste permanece igual ao que foi oferecido anteriormente. A diferença, explica ele, são os aumentos concedidos para aqueles que possuem qualificação. “A proposta ainda ficou inferior ao que estávamos reivindicando, mas foi o possível no momento”, afirma.

Outro fato que pesou para aceitação da proposta é a proximidade do dia 31 de agosto, quando é fechado o texto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), documento que orienta a elaboração e execução do orçamento anual. “O País está com sérias limitações financeiras. Sendo assim não podemos arriscar e levar a categoria a uma situação que não conseguiríamos chegar a um acordo”, explica Jordão. Além disso, foi concedida a extensão da lei de incentivo à qualificação para toda a categoria. O incentivo é um estímulo para que os servidores invistam também na área acadêmica.

Ao longo dos dois meses de greve, os servidores realizaram muitos protestos e participaram de várias assembleias para informar e conscientizar a população sobre a situação precária das universidades públicas e a falta de negociação com o governo. Em julho, manifestantes levaram uma boneca para um protesto no Centro de Convenções, em Olinda, apelidada de “Dilmá”.

A negociação firmada entre governo e técnicos administrativos não interfere no movimento dos professores. “A gente respeita a posição dos técnicos, mas o nosso movimento continua forte. Temos uma série de atividades agendadas”, afirmou o presidente da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Pernambuco (Adufepe), José Luiz Simões.

Na última quinta-feira (16), em assembleia, os docentes votaram pela continuidade da greve. O novo encontro entre os docentes para definir os rumos do movimento está agendado para o dia 27.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM