Jornal do Commercio
Cangaço

Morre Candeeiro, o último cangaceiro do bando de Lampião

Seu Né, como era conhecido depois do cangaço, vivia no distrito de Guanumbi, em Buíque, e tinha 98 anos

Publicado em 24/07/2013, às 13h49

 / Foto: Rodrigo Lôbo/JC Imagem
Foto: Rodrigo Lôbo/JC Imagem
Do JC Online

O combate da madrugada do dia 28 de julho de 1938, em Angicos, Sergipe, terminou com a morte de Lampião, Maria Bonita, mais nove cangaceiros e o soldado Adrião Pedro de Souza. Porém, cerca de cinco cangaceiros conseguiram fugir da investida da "volante" que matou o Rei do Cangaço, e entre esses estava Candeeiro. Com a morte de Moreno, em 2010, Manoel Dantas Loyola, 98 anos, era o último cangaceiro do bando de Virgulino.

Nesta quarta-feira (24), por complicações respiratórias, faleceu em Guanumbi, distrito de Buíque, o último cangaceiro de Lampião. Segundo os moradores do distrito, seu Né, como ficou conhecido após sair do cangaço, tinha uma vida pacata, sempre na porta de casa, sentado na cadeira de balanço. Viveu em São Domingos (atual Guanumbi) a vida inteira, sem contar o tempo que esteve no bando.



A imprensa local afirma que Candeeiro entrou para o grupo em 1937, um ano antes da morte de Virgulino, por acaso. Trabalhava em uma fazenda em Alagoas quando um grupo de homens ligados ao famoso bandido chegou ao local.Pouco tempo depois, a propriedade ficou cercada por uma volante e ele preferiu seguir com os bandidos para não ser morto.

Segundo Odilon Pimentel, 31 anos, que é morador de Guanumbi, Candeeiro era muito conhecido, trabalhava numa "bodega", mas com a idade que tinha, vivia tranquilo, na porta de casa. "Em 2002, um meio de comunicação o levou de helicóptero para encontrar um policial que fazia parte da volante que matou Lampião. Eles apertaram as mãos, esqueceram tudo que passou", comenta Pimentel. O cangaceiro contava pela cidade que era caçador do bando e só não foi morto porque saiu para buscar água. 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM