Jornal do Commercio
Patrimônio

Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano investe em acessibilidade

Museu ganhará elevador, rampas, placas em braile e marcações táteis no piso. Serviços custarão R$ 270 mil e serão concluídos até dezembro

Publicado em 15/09/2013, às 09h15

Reforma é financiada pelo programa da Caixa Econômica Federal de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro / Foto: Diego Nigro / JC Imagem
Reforma é financiada pelo programa da Caixa Econômica Federal de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro
Foto: Diego Nigro / JC Imagem
Marina Barbosa

O acervo do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano vai ficar mais próximo dos portadores de deficiências físicas e visuais no fim deste ano. É que o museu, localizado em um casarão amarelo da Rua do Hospício, no Centro do Recife, está ganhando elementos de acessibilidade como elevador, rampas, placas em braile e marcações táteis no piso. Fundado em 1862, o museu é o mais antigo do País e o primeiro do Estado a receber estruturas que garantam acessibilidade para todos os visitantes.

A turismóloga Clarisse Fraga ressaltou que as obras são importantes para permitir que mais pessoas tenham acesso ao acervo do instituto, composto por móveis, pinturas, armamentos e documentos que retratam episódios e personagens importantes da história pernambucana. Entre os objetos em exposição, há desde painéis que mostram a expulsão dos holandeses até a primeira prensa de jornal do Estado. “O espaço abriga elementos importantes para a história e a cultura de Pernambuco, mas apresenta dificuldades de acessibilidade. O museu precisa estar bem preparado para receber turistas, pesquisadores e pernambucanos”, afirmou.

Clarisse Fraga elaborou o projeto-executivo de reforma do instituto em parceria com o arquiteto José Luiz Mota Menezes. Ela disse que os serviços pretendem atender melhor tanto cadeirantes e deficientes visuais quanto os estudiosos que já frequentam o local. “Atualmente, a maior parte dos visitantes é composta por pesquisadores. Muitos deles são idosos e têm dificuldade de locomoção. Por isso, alguns não conseguem subir a escada que dá acesso às salas do primeiro andar”, explicou.




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

EDITAL - As obras que pretendem melhorar o acesso ao museu estão avaliadas em R$ 270 mil e são financiadas pelo programa da Caixa Econômica Federal de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro. O edital que aprovou a reforma foi liberado em maio e as obras começaram a ser realizadas em agosto deste ano. A primeira etapa do serviço contempla a instalação de uma plataforma elevatória que comporta até duas pessoas, sendo uma delas cadeirante, e a melhoria dos banheiros do imóvel. Depois disso, serão construídos corrimãos e rampas na entrada e no interior do museu. O local também vai ganhar marcações podotáteis entre as salas de exposição, ou seja, demarcações no piso para guiar deficientes visuais.

Coordenados pela produtora Bureau de Cultura e Turismo, os serviços de acessibilidade devem ser finalizados até dezembro. Para viabilizar a reforma, três salas do instituto ficam interditadas nesse período. Os objetos que estavam expostos nesses cômodos foram relocados para outras salas. Por isso, o espaço não precisou ser fechado para a realização das obras. O local continua recebendo visitantes de segunda a sexta-feira, entre as 13h e as 17h e, aos sábados, das 8h às 12h. Quando a reforma estiver concluída, o local também vai ganhar monitores capacitados para receber pessoas com mobilidade e visão reduzida.

Leia mais na edição impressa do Jornal do Commercio deste domingo (15)




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM