Jornal do Commercio
Patrimônio ferroviário

Passageiros aprovam VLT para o Cabo de Santo Agostinho e o Curado

A segunda reportagem da série sobre o patrimônio ferroviário de Pernambuco mostra as duas linhas férreas que ainda fazem o transporte público, no Grande Recife

Publicado em 27/09/2014, às 08h08

VLT conduz cerca de nove mil passageiros por dia, em 48 viagens com partidas realizadas das 5h21 às 21h03 / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
VLT conduz cerca de nove mil passageiros por dia, em 48 viagens com partidas realizadas das 5h21 às 21h03
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Nem saudosismo e nem bucolismo. O movimento que defende a volta dos trens de passageiros no Estado de Pernambuco está fundamentado em razões práticas: o transporte sobre trilhos é uma alternativa para se fugir dos engarrafamentos nas viagens por ônibus. A velocidade nos deslocamentos ocupa o topo da lista de vantagens apontadas por usuários das duas linhas em atividade, uma para o Cabo de Santo Agostinho e outra até o Curado, na Zona Oeste do Recife, todas partindo da Estação Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes.

“É rápido, seguro, não atrapalha o trânsito, não para em sinal e não fica preso nos engarrafamentos”, diz a comerciária aposentada Vânia Maria Ribeiro, passageira do trem para o Cabo há 40 anos. “Apesar de andar de graça no ônibus, porque já passei dos 60 anos, prefiro os trilhos”, conta aos repórteres do JC que dividiram com ela um dos vagões no trem das 11h47, segunda-feira (22).

A bem da verdade, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), operadora do sistema, substituiu as locomotivas a diesel pelo Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), movido a biodiesel, combustível derivado de fontes renováveis, como óleos vegetais e gorduras animais, menos poluente que os de origem fóssil (petróleo). A troca começou em outubro de 2011 e terminou em fevereiro de 2012.

Os nove veículos comprados custaram R$ 69 milhões. Como as janelas de vidro eram destruídas a pedradas, por vândalos, a CBTU mudou o material para poliuretano, que trinca mas não quebra.

Vânia Ribeiro passou por todas as gerações de trem – vapor, diesel e biodiesel – no período em que trabalhou no Centro do Recife. “A locomotiva a vapor vinha fumaçando e fazendo troc-troc-troc nos trilhos. Aposentaram as máquinas velhas e a viagem ficou melhor, no geladinho”, destaca.

É rápido, seguro, não atrapalha o trânsito, não para em sinal e não fica preso nos engarrafamentos

declara a comerciária aposentada Vânia Ribeiro

 

“O VLT tem ar-condicionado, hora certa para sair da estação, é confortável e fresquinho. Uma opção para a gente não depender tanto do ônibus. Só precisava ter mais veículos”, diz a autônoma Rosinalva da Silva, 34. Ela pega o VLT no Cabo, paga R$ 1,60, desce em Cajueiro Seco e segue até a Estação Central, no Recife, pelos trilhos do metrô, sem pagar mais por isso. Faz o trajeto em 1 hora.

Uma viagem no VLT de Cajueiro Seco ao Cabo dura 36 minutos. No ônibus, dependendo do trânsito, pode passar de uma hora. O problema do VLT, observa o carpinteiro Ivanildo José da Silva, é o intervalo entre as viagens. A primeira composição parte às 5h29 e a segunda, às 6h23. “Se a gente perde um trem na estação, vai aguardar quase uma hora pelo outro”, diz ele.

A espera é maior ainda para os passageiros com destino à Estação Curado, único lugar do Recife atendido pelo VLT. O intervalo entre as viagens é de uma hora e 48 minutos, podendo chegar a 2 horas e 42 minutos. Pela manhã, o trem sai de Cajueiro Seco às 5h49. Outro, só às 7h37. Fora do horário de pico, a situação é mais complicada. Depois da viagem das 13h01, só se escuta o apito às 15h43.

De acordo com a CBTU, não há mistério para intervalos tão longos, mas sim, dois problemas: a Estação Cajueiro Seco não recebe dois trens ao mesmo tempo e só há uma linha até o Cabo.



Com essas dificuldades, é preciso organizar as viagens para os VLTs do Cabo e do Curado não chegarem juntos em Cajueiro Seco. O resultado dos arranjos são 32 viagens por dia no trecho Cajueiro-Cabo e 16 no trajeto Cajueiro-Curado. A linha Curado tem menos viagens porque a demanda é menor, justifica a empresa.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

A CBTU pretende, até 2015, construir uma plataforma extra em Cajueiro Seco e duplicar a estrada de ferro para o Cabo. Com a nova plataforma, a estação receberá dois trens simultâneos e será possível ofertar mais VLTS e viagens até o Curado. Hoje, há uma máquina operando. Em 2015 serão duas. Na linha duplicada até o Cabo, circularão quatro VLTs, um a mais do que o número atual.

Boa notícia para Érica Dias, 19 anos, que mora em Camaragibe e usa o VLT do Curado até a Estação Marcos Freire, em Jaboatão, onde trabalha. “Pego o trem às 7h09, lotado, e retorno às 17h47, do mesmo jeito”, conta. No primeiro percurso, ela faz a integração metrô-trem pagando um bilhete. Na volta, paga duas passagens porque as estações são fisicamente separadas.

O metrô, vindo de Camaragibe, para na mesma plataforma do VLT, no Curado, explica a CBTU. O mesmo não acontece no sentido inverso. Se Érica não quiser pagar duas passagens, terá de descer do VLT no Curado, pegar o metrô voltando ao Recife, até a Estação Coqueiral, e fazer o transbordo para Camaragibe, orienta a empresa. “Não vale a pena, perco mais tempo”, diz ela.

Representante da ONG Amigos do Trem, André Cardoso afirma que o VLT é ideal para a zona urbana. Na área rural, o veículo mais indicado são os trens de ferro

 

José Wellington Ramos de Araújo, motorista, sugere a ampliação da linha Curado até a rodoviária, no mesmo bairro. “Os trilhos existem, a distância é mínima e seria um ganho para a população”, destaca. “Além disso, deveria ter mais VLTs. O pessoal do Curado depende do trem ou do ônibus Barra de Jangada para ir até Prazeres. De trem, são 32 minutos. No ônibus, quase duas horas”, compara.

A distância da estação à rodoviária é de 1,3 quilômetro. Porém, a linha não pertence à CBTU. É da MRS Logística. A CBTU solicitou à concessionária o direito de usar o trilho e espera a resposta.

Para André Cardoso, representante da ONG Amigos do Trem, que apoia a mobilização de estudantes do câmpus de Nazaré da Mata da Universidade de Pernambuco (UPE), pela volta do trem de passageiros, o VLT atende bem a área urbana. “Poderia circular nas Avenidas Caxangá, Agamenon Magalhães e Norte, no Recife”, opina.

Na zona rural, diz ele, as locomotivas são mais adequadas, por serem robustas. “Há trens em desuso que poderiam ser aproveitados na reativação da linha para Nazaré da Mata”, sugere André. Segunda-feira próxima, os Amigos do Trem, Sindicato dos Metroviários, Clube de Engenharia e o DCE-UPE promovem o debate Transporte ferroviário de passageiros em Pernambuco, às 19h, no câmpus de Nazaré, aberto ao público.



Comentários

Por JOSENITA DUDA ,15/06/2016

E AINDA DIZEM QUE "NINGUÉM FAZ NADA" PRECISAMOS DIVULGAR MAIS DE PERTO ESSAS INFORMAÇÕES E LUTAS PARA VOLTA DO TREM NÃO SÓ DE RECIFE A OURICURI, MAS DO OIAPOQUE AO CHUI,E ASSIM O MEIO AMBIENTE VAI FICAR TÃO FELIZ, COM O TRANSITO DESAFOGADO E MENOS ACIDENTES NAS ESTRADAS, DIZEM QUE QUANDO SE QUER SE CONSEGUE, VIVA A DEMOCRACIA!!!!!!!

Por ANTONIO ROSENDO DE BRITO ,26/05/2016

solicito o horário do vlt cabo x cajueiro cajueiro x cabo curado x cajueiro cajueiro x curado

Por JOSÉ MARCOS BARBOZA DA SILVA,10/07/2015

UMA PENA QUE OS DONOS DE EMPRESAS DE ÔNIBUS DE PE NA SUA MAIORIA,TENHAM ENVOLVIMENTO COM POLITICOS DA REGIÃO,POR ISSO(É CLARO)QUE ELES QUEIRAM IMPOR QUE OS BRTs(ÔNIBUS) SEJAM A MELHOR COISA PARA O TRANSPORTE METROPOLITANO,O QUE NÃO É VERDADE,POIS O VLT SEMPRE SERÁ A MELHOR SAÍDA,MESMO SENDO UMA IMPLANTAÇÃO "MAIS CARA",TRANSPORTA MAIS GENTE,E NÃO FICA PRESO NOS TRÂNSITOS. AGORA,IMAGINEM SÃO PAULO SEM METRÔ NOS DIAS DE HOJE.(A CAPITAL PAULISTA ERA COMO RECIFE NAS DÉCADAS DE 60 E 70,E INVESTIRAM NO TRANSPORTE DE TRILHOS NAQUELA ÉPOCA,E AINDA FOI POUCO).

Por ELINALDO FERNANDO HOLANDA,20/06/2015

A CULPA É DO POVÃO QUE SE SUBMETE A QUALQUER SITUAÇÃO SEM QUESTIONAR O QUE EMPURRAR ELES ACEITAM NÃO QUESTIONAM NÃO PESQUISAM OUTROS NÃO TEM CONHECIMENTO ETC. ONDE É QUE BRT RESOLVE NADA SÓ PIORA VLT É A SOLUÇÃO PARA OS GRANDES CORREDORES IMAGINA VLT PARA CAMARAGIBE IGARASSU MACAXEIRA E AINDA PODIAM USAR QUE LIGA TANCREDO NEVES A AREIAS COM ESTAÇÕES EM IBURA E AREIAS PENSEM BEM

Por Rodrigo Pereira,21/04/2015

O problema todo é o lobby rodoviário. Na verdade a linha Cajueiro Seco/Cabo opera com 2 VLTs apenas e não 3 como cita a reportagem. E essa duplicação entre o Cabo e Cajueiro Seco será que será concluída esse ano ainda??? como se diz no popular tá de rosca!!!!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM