Jornal do Commercio
Patrimônio

Engenho São João, em Itamaracá, ameaçado pelo abandono

Lugar de nascimento do abolicionista João Alfredo, o engenho remonta ao século 17 e é tombado pelo Estado

Publicado em 07/12/2015, às 08h08

Fundarpe tem projeto para recuperação da propriedade, mas alega falta de recursos / Foto: Ashley Melo/JC Imagem
Fundarpe tem projeto para recuperação da propriedade, mas alega falta de recursos
Foto: Ashley Melo/JC Imagem
Da Editoria Cidades

A casa-grande do Engenho São João, na Ilha de Itamaracá, onde nasceu o abolicionista João Alfredo Corrêa de Oliveira, em 12 de dezembro de 1835, continua desmoronando à vista de todos, às margens da PE-35. Destelhado, cheio de mato, com piso quebrado e paredes rachadas, nem parece que o casarão é tombado como patrimônio histórico de Pernambuco desde 1983. O prédio, sem uso e sem conservação, pertence ao governo do Estado.

Em 2012, a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco elaborou projeto para transformar toda a área do engenho no Centro de Referência Cultural e Ecológica de Itamaracá. A obra, avaliada em quase R$ 6 milhões, esbarrou na falta de verba. “Infelizmente, o projeto não foi levado adiante”, afirma a arquiteta Rosa Bonfim, chefe da Unidade de Preservação da Fundarpe.

A proposta previa novos usos para o casarão, a fábrica – onde se produzia o açúcar – e os demais imóveis erguidos no terreno quando o espaço era ocupado pela Penitenciária Agrícola de Itamaracá, no século 20. Todos voltados para o turismo histórico e ambiental. A fábrica não é tombada, mas faz parte da área de preservação do monumento.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

Um dos primeiros engenhos movidos a vapor no Brasil, o São João remonta ao século 17. O casarão atual, possivelmente do século 18, foi construído sobre as ruínas da edificação mais velha e mantém a fachada no estilo arquitetônico neoclássico, informa Rosa Bonfim. No século 19, o engenho pertencia ao avô materno de João Alfredo.

Conselheiro e estadista do reinado de Dom Pedro II (1840-1889), João Alfredo Corrêa de Oliveira tem o nome vinculado à abolição da escravatura no Brasil. Ele foi ministro do Gabinete Rio Branco, que promulgou a Lei do Ventre Livre, em 28 de setembro de 1871; e presidente do Gabinete de 10 de Março, que ordenou a publicação da Lei Áurea (documento redigido pelo abolicionista pernambucano), em 13 de maio de 1888.



A última intervenção realizada pela Fundarpe na casa-grande foi a estabilização das paredes, em 2008. Na época, a fundação vedou as aberturas de portas e janelas, para evitar novos saques. Logo depois, vândalos abriram um buraco nos tijolos. O casarão serviu como residência para o diretor da Penitenciária Agrícola, nos anos 50 e 60.

De acordo com Tácito Galvão, pesquisador do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, até então, sabia-se que o São João já moía cana em 1689. Porém, mapas antigos indicam a existência de outro engenho, denominado Trapiche, nesse mesmo local, no início da ocupação holandesa no Nordeste brasileiro, em 1630.

“É possível que o Engenho São João seja o Trapiche, reconstruído após a saída dos holandeses, em 1654, e renomeado”, declara. Há um ano e meio ele pesquisa a história da Ilha de Itamaracá e está coletando dados sobre a origem dos engenhos de cana-de-açúcar. O São João era propriedade do português João Guedes Alcoforado. Depois de vendido chegou às mãos de João de Medeiros Raposo, o avô de João Alfredo, diz Tácito.

Sábado próximo, 12 de dezembro, é o aniversário de 180 anos de nascimento de João Alfredo. O abolicionista morreu no Rio de Janeiro em 6 de março de 1919.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();