Jornal do Commercio
ATENÇÃO

Sem manutenção, Parque Dona Lindu pede socorro

Banheiros quebrados, jardins esturricados, placas danificadas e falta de ar-condicionado depõem contra o famoso espaço

Publicado em 27/02/2016, às 07h00

O cartão de visitas envergonha, pois sequer é possível ler o nome Dona Lindu nas placas porque faltam letras / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
O cartão de visitas envergonha, pois sequer é possível ler o nome Dona Lindu nas placas porque faltam letras
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Raíssa Ebrahim

Basta uma rápida visita ao Parque Dona Lindu, na beira-mar de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, para constatar a falta de manutenção do equipamento, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012) e inaugurado em 2011. O local acumula uma extensa lista de problemas: nos banheiros, parte das cabines está fechada. O mictório, quebrado.Na ala feminina, não há água nas torneiras. Na masculina, das seis luzes, apenas uma funciona. Na área externa, os bocais estão sem lâmpada. 

A lista continua: a sinalização do parque praticamente não existe mais. É difícil encontrar os dizeres inteiros para se guiar pelo local. O cartão de visitas envergonha, pois sequer é possível ler o nome Dona Lindu nas placas porque faltam letras. Os jardins estão descuidados, as palmeiras secas e vários vasos quebraram. O chão está rachando. 

Na Galeria Janete Costa, o ar-condicionado está quebrado desde novembro último e o banheiro feminino foi fechado devido a um vazamento. O chão está inundado e a parede molhada. A internet não funciona há meses. Inicialmente orçada em R$ 18 milhões, a obra custou R$ 37 milhões e levou três anos para ser concluída. É a prova de um problema maior: a falta de manutenção dos equipamentos culturais e de lazer da cidade. O parque não dispõe de orçamento anual.

Por causa da falta de ar-condicionado, a Galeria Janete Costa não mais abrigará a mostra do 5º Prêmio Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas, um dos mais tradicionais do País. A exibição agora será no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), na Rua da Aurora, área central da capital.

“Estava tudo fechado, mas, quando o curador da mostra, Marcos Lontra, veio com o montador, no início do ano, deparou-se com essa situação”, diz a gestora da galeria e doutora em história, Joana D’Arc Lima, que está deixando o cargo por motivos pessoais.



“Atualmente não há rigor técnico para a galeria sediar uma mostra dessa”, lamenta. Por causa do calor, é impossível trabalhar na sala de administração do espaço. Joana enfatiza que o local tem uma característica única: está vinculado a um parque e, por isso, atrai público de todas as classes sociais e de diversos repertórios culturais. 

As obras da atual exposição, 21 Anos Sem Zé de Barros, precisam quase que diariamente ser recoladas. O calor danifica as fitas que sustentam o acervo. “Não é questão de luxo, é de cuidado. Estamos falando de matéria orgânica, de papel, de madeira, que se ressentem com a oscilação de umidade”, frisa a gestora.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Questionada, a Secretaria Municipal de Cultura defende que o Núcleo de Manutenção dos Equipamentos Culturais foi criado para otimizar a manutenção e o acompanhamento técnico dos equipamentos da cidade. O órgão informou que o sistema de ar-condicionado da galeria e do Teatro Luiz Mendonça passarão por reparos em março e abril. Na Janete Costa, o problema foi consequência de um ato de vandalismo na tubulação externa, segundo a pasta.

Enquanto são feitos os reparos emergenciais, a Secult garante que será elaborado um plano de requalificação de todo o sistema e que está em fase de elaboração um plano de requalificação de toda área externa e da atualização do modelo de gestão, segurança e manutenção.

Além disso, afirma que haverá renovação ou substituição das empresas que prestam serviço de manutenção. Já a Secretaria de Turismo e Lazer informou que o projeto para requalificação das duas placas do monumento está pronto e deve ser executado em breve.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM