Jornal do Commercio
Segurança

Delegados defendem extinção da SDS

Alegação é o alto custo da secretaria e aumento da violência

Publicado em 06/07/2016, às 08h12

Delegacia de Carpina foi interditada  recentemente por más condições estruturais, segundo delegado / Divulgação/Adeppe
Delegacia de Carpina foi interditada recentemente por más condições estruturais, segundo delegado
Divulgação/Adeppe
Margarette Andrea

Em meio ao crescente índice de violência no Estado – são 1.731 homicídios de janeiro a maio, 111 a mais do que no mesmo período de 2015 – somado a uma forte crise financeira, a Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe) levanta a bandeira de extinção da Secretaria de Defesa Social (SDS). Na última edição do jornal da entidade, distribuído no mês passado, a ideia é defendida tanto por sua “má gestão” no combate à violência quanto pelo “peso” que representa financeiramente.

Conforme dados levantados pela entidade no Portal da Transparência, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2016 prevê R$ 3,2 bilhões para a área de segurança pública. Desse montante, a maior parte (37,8%), o equivalente a R$ 1,235 bilhão, fica com a administração da SDS, enquanto a Polícia Militar, com cerca de 26 mil servidores, fica com 35,22% e a Polícia Civil, com 16,27%. Índices que se repetem há anos.

O presidente da Adeppe, delegado Francisco Rodrigues, classifica a pasta como um grande “elefante branco, cheio de cargos comissionados e funções gratificadas”. E diz que os secretários da pasta são “intermediários que não entendem muito de rua”, uma vez que são delegados federais e os civis é que atuam em questões rotineiras de roubos, assaltos, estupros. Mas salienta não ter nada contra ninguém.

Conforme o delegado, a ideia de extinção da SDS surgiu de uma análise da situação. “A cada ano que passa os números da violência estão crescendo e a capacidade técnica e estrutural da Polícia Civil está diminuindo. Isso é que é o pior. Nem está se mantendo nem melhorando, está diminuindo. A gente está com menos viatura, com menos pessoal, com menos estrutura, a gente está com os prédios cada vez piores, ou seja, a gente está decaindo”, lamenta, citando a Delegacia de Carpina, na Zona da Mata, interditada recentemente por más condições.



Com base nisso, a Adeppe foi atrás dos dados das LDOs desde 2007. “Vimos que o orçamento da pasta aumenta todo ano. Ora, se aumenta todos os anos por que é que a nossa estrutura diminui? Tem alguma coisa errada”, salienta o delegado, observando que o fim da pasta eliminaria gastos desnecessários, devolveria uma gama de policiais às ruas e delegacias e faria os problemas de cada polícia ser tratado diretamente com o governador, “por quem entende”.

O presidente da Associação de Praças de Pernambuco (Aspra), José Roberto Viana, concorda que a violência está aumentando por má gestão da segurança, mas credita a falha ao governo. “O secretário tem boa intenção. Mas quem for de encontro ao governo cai”, declara. O presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Áureo Cisneiros, não falou.

Por meio de nota, a SDS limitou-se a informar que sua execução orçamentária e financeira é realizada em benefício de seis unidades gestoras: SDS-Sede (também responsável pela Polícia Científica, Áreas Integradas de Segurança e Câmpus de Ensino), Polícia Militar, Hospital Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar e Corregedoria. 

“Em abril, a soma da folha de pagamento destas unidades custou R$ 140.910.018,71. Desse total, o valor pago aos comissionados e funções gratificadas da SDS, foi de R$ 270.366,55, ou 0,19%, o que derruba o discurso de uma pasta “repleta de cargos comissionados e funções gratificadas” usado pela associação. Não detalhou, contudo, a distribuição desses recursos, nem respondeu às perguntas encaminhadas.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM