Jornal do Commercio
Entrevista

Presidente da Adeppe diz que falta gestão para reduzir violência

Segundo Francisco Rodrigues, de 403 delegados mais de 100 estão lotados na SDS

Publicado em 06/07/2016, às 08h35

Presidente da Adeppe diz que Pacto pela Vida não valoriza servidor / Alexandre Gondim/JC Imagem
Presidente da Adeppe diz que Pacto pela Vida não valoriza servidor
Alexandre Gondim/JC Imagem
Margarette Andrea

JC – A SDS veio para unificar as forças de segurança. Isso não funcionou?

FRANCISCO RODRIGUES - Isso nunca funcionou. Primeiro porque são duas forças que não se entendem.

JC – Por que não?

FRANCISCO - Porque fazem trabalhos diferentes, simples assim. Não tem muito a explicar. Como a gente vai colocar duas forças numa sala se uma faz um trabalho diferente da outra? Não tem muito sentido.

JC – Mas um trabalho não é complementar ao outro?

FRANCISCO – Não, não é complementar. Se fosse tinha que haver os dois ao mesmo tempo. E não é o caso. Um tem um trabalho e o outro tem outro. Quando um falha o outro atua. Se a PM (coisa hipotética) fizesse um trabalho de prevenção completa dos crimes, a Polícia civil não atuaria. 

JC – São R$ 3,2 bilhões para a segurança. O senhor acredita que esse dinheiro está sendo mal investido?

FRANCISCO – Quanto maior a estrutura mais dispendiosa ela é. Quanto mais enxuta, mais eficiente. O governo criou vários intermediários para uma área que não precisava de nenhum. A SDS tem logo três secretários. Já começa daí o peso da pasta. Delegados, policiais civis e militares de todas as patentes que poderiam estar fazendo o seu trabalho estão na SDS para atividade meio. 

JC – Fazendo o quê? 

FRANCISCO - A gente tem hoje 403 delegados na ativa. Desses, cerca de cem (um pouco mais) estão fora da delegacia. Corregedoria, inteligência, SDS... Numa conta rápida: são 26 delegados seccionais. Há casos, como os delegados do Espinheiro e Boa Vista em que há um seccional para dois. Um absurdo! No interior faz sentido. Aqui, não.



JC – E fosse uma secretaria de segurança seria diferente?

FRANCISCO – Se a gente tivesse hoje uma Secretaria de Segurança Pública em vez de uma SDS a gente de cara já teria um prédio inteiro a menos pra administrar. Vários cargos, várias viaturas, vários computadores, vários cafezinhos, vários tapetes, vários auxiliares de serviços gerais...

JC – E os resultados do Pacto pela Vida?

FRANCISCO -É outro que tinha uma boa intenção, mas pecou por não implementar uma de suas bases fundamentais que é a valorização do servidor. O Pacto só quer número, número, número.

JC – O que tá faltando pra essa violência diminuir?

FRANCISCO -Tá faltando um melhor direcionamento dos recursos. Tá faltando gestão. Tá faltando parar de se tratar a segurança pública com política. Segurança é assunto técnico.

 

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM