Jornal do Commercio
Patrimônio Ferroviário

Estradas de ferro: livro resgata a história da Great Western do Brasil

A empresa britânica Great Western of Brazil abriu estradas de ferro em Pernambuco e outros três Estados nordestinos

Publicado em 07/07/2016, às 08h08

O inglês William Edmundson pesquisou a história da Great Western of Brazil / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
O inglês William Edmundson pesquisou a história da Great Western of Brazil
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

De 1873 até 1950 a empresa britânica Great Western of Brazil Railway Company Limited abriu e administrou estradas de ferro em quatro Estados do Nordeste. Ao ser nacionalizada, após quase cem anos de atividades, tinha o domínio de mais de 1.700 quilômetros de ferrovias em Pernambuco, na Paraíba, no Rio Grande do Norte e em Alagoas. E deixou mais rastros do que os trilhos do trem em sua trajetória.

A Great Western, afirma o pesquisador inglês William Edmundson, não apenas criou vias férreas para o transporte de passageiros e de carga. “Foi a primeira empresa no Brasil a proibir, por contrato, o trabalho escravo na construção e na operação da ferrovia”, diz ele. E, em 1923, inaugurou a assistência social no Brasil com uma caixa de aposentadoria e pensões para os trabalhadores.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

“Além de dar sua contribuição para acabar com a escravidão, a empresa ajudou a valorizar o trabalho quando colocou engenheiros britânicos para arregaçar as mangas e pegar no pesado expandindo as ferrovias”, avalia o pesquisador. Por falta de mão de obra especializada no mercado local, a Great Western contratou belgas para quebrar pedras e implantar trilhos e dormentes.

William Edmundson resgatou essas e outras memórias para compor a publicação A Gretoeste: A história da rede ferroviária Great Western of Brazil, lançada no Museu do Trem do Recife. “É uma história que marcou uma época”, comenta o pesquisador, que chegou em terras brasileiras em 1990 e hoje mora em João Pessoa (PB).

Bem humorado, ele cita as viagens de Maria Fumaça do Recife a Maceió, movidas a lenha e carvão, com passageiros de primeira classe vestidos com avental branco para proteger as roupas contra a sujeira da chaminé. “Até meus 22 anos meu transporte na Grã Bretanha era a Maria Fumaça, mas a gente não usava avental”, diz.



O título da publicação já é uma curiosidade. “Gretoeste era como o povo chamava a companhia, pela dificuldade de pronunciar as palavras em inglês.” A empresa, esclarece, não era subsidiária da famosa Great Western da Grã Bretanha. “Numa época em que não havia direitos autorais, simplesmente copiaram o nome”, diz.

Pegar o nome emprestado, de acordo com o pesquisador, era uma jogada de marketing. “Por ser uma marca já conhecida, seria mais fácil atrair investimentos em Londres”, destaca. A Great Western of Brazil, uma das redes ferroviárias mais famosas no País, foi criada por capitalistas ingleses, em 1872, para abrir e explorar vias férreas na Região Nordeste.

A companhia, depois de instalada, incorporou a já existente Estrada de Ferro Recife-São Francisco, inaugurada em 1858. “A Recife and São Francisco Railway foi a segunda ferrovia implantada no Brasil e a primeira em importância econômica, pois passava pela região açucareira”, observa William Edmundson. O primeiro trecho partia da Estação Cinco Pontas, no Recife, até a Vila do Cabo. A ideia inicial era ligar a capital à Cachoeira de Paulo Afonso.

Durante a entrevista, concedida no Museu do Trem (Estação Central), no bairro de São José, Centro do Recife, ele aponta uma locomotiva feita na Alemanha para a Great Western, um guindaste a vapor da Inglaterra e uma locomotiva escocesa originalmente movida a lenha e exclama: “Quase tudo aqui está ligado ao meu país.”

Editado pela Ideia, o livro A Gretoeste: A história da rede ferroviária Great Western of Brazil custa R$ 50, incluindo o frete de João Pessoa para qualquer endereço no Brasil. A publicação pode ser adquirida na editora paraibana (www.ideiaeditora.com.br).“Conhecer a história é muito importante, se os mais velhos morrem sem contar, os jovens não terão como saber”, declara, aos 70 anos, William Edmundson.



Comentários

Por LUCIANO CARVALHO,17/03/2017

MEU PAI FOI FERROVIÁRIO QUASE 30 ANOS EM AL E Pb (TRABALHOU NA G. WESTERN E POSTERIORMENTE NA RFFNE). E COM MUITAS SAUDADES QUE LI ESSAS LINHAS. PARABÉNS PELA PUBLICAÇÃO.

Por Daniel Araujo,01/02/2017

Uma ferrovia de tamanha importância hoje esquecida pelos Pernambucanos. Uma pena. Se continuasse em operação, o desenvolvimento que as cidades por onde passa alcançaram durante seu funcionamento teria continuado até hoje!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM