Jornal do Commercio
VIOLÊNCIA

Medo e incerteza com os assaltos a banco no interior

Quadrilhas especializadas explodem agências e causam pânico em cidades pernambucanas

Publicado em 20/08/2016, às 18h45

Agência do Banco do Brasil em Condado foi destruída / Diego Nigro/JC Imagem
Agência do Banco do Brasil em Condado foi destruída
Diego Nigro/JC Imagem
JC Online

A população do interior de Pernambuco está no meio de uma guerra. Cidades pacatas e que tinham rotinas extremamente previsíveis agora convivem com o medo e a incerteza, que vêm na forma de carros possantes, homens com armamento pesado, explosões e tiros. Tudo para roubar dinheiro vivo de agências bancárias, principalmente do Banco do Brasil, presente na maioria dos 184 municípios. A onda de assaltos a instituições financeiras já chegou a 24 cidades pernambucanas só no primeiro semestre deste ano, sendo 21 no interior. As investidas cresceram 17,7% entre janeiro e julho de 2015 e o mesmo período deste ano, a maior parte com explosões e uso de maçaricos. Um problema que desafia governo e bancos na busca por uma solução rápida.

Os criminosos não encontram dificuldade para agir. As investidas duram entre cinco e dez minutos e seguem um padrão. Entre meia-noite e 3h, quando as ruas estão desertas, grupos de dez a 15 homens chegam em veículos de médio e grande porte. Bloqueiam os principais acessos à cidade com grampos, para dificultar a eventual chegada de policiais. Vão à agência bancária do município e detonam explosivos plásticos de grande potência. Depois da explosão, atiram para o alto e, por vezes, nas delegacias e destacamentos das Polícias Civil e Militar, como forma de intimidar a população e os poucos agentes de segurança dos locais. Recolhem o dinheiro dos caixas eletrônicos e dos cofres e fogem por rotas alternativas. Deixam a destruição física, a afronta ao Estado e os prejuízos a uma população já carente de serviços.

O mapa das ocorrências revela algumas peculiaridades. As investidas ocorrem em cidades na divisa com outros Estados, principalmente Paraíba e Alagoas, para onde os bandidos fogem depois de cometerem os crimes. “São três quadrilhas formadas por pessoas de Pernambuco e de outros Estados, e que se utilizam dessa prática para dificultar as investigações”, explica o secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho. A área mais afetada é a Zona da Mata Norte e o Agreste, na divisa com a Paraíba. Um cinturão de municípios proximos – Feira Nova, Riacho das Almas, Cumaru, Passira, Bom Jardim, João Alfredo e Machados – já foi vítima das quadrilhas.

Segundo Carvalho, os grupos têm objetivos distintos. “Alguns se juntam para realizar a ação e depois apenas dividir o dinheiro. Outros utilizam o produto dos crimes para investir no tráfico de drogas, principalmente na compra de maconha e crack para revenda”, explica o secretário. 



“O confronto é muito desigual. Eles vêm com armamento pesado, em maior número. A gente não tem como se defender. Primeiro a nossa vida”, afirma, em reserva, um policial militar lotado no destacamento de uma cidade da Zona da Mata. Ele estava de plantão quando a agência do Banco do Brasil do município foi explodida, no primeiro semestre deste ano. “Chamamos reforços, mas as viaturas tiveram os pneus furados pelos grampos e os criminosos fugiram”. 

Naquela noite, eram apenas dois PMs no destacamento. Cada um com uma pistola ponto 40 e um fuzil 762. Na garagem, uma Palio Weekend em mau estado de conservação e pneus carecas. Lá fora, um exército de quinze homens armados de fuzis e circulando em veículos novos e potentes. Não havia como confrontá-los. Primeiro a vida.

O sucesso das investidas se deve a um meticuloso planejamento por parte dos criminosos. “Eles analisam em quais cidades há reforço policial, observam a rotina. E também chegam a abortam ações quando percebem que o policiamento está presente de forma mais efetiva em determinadas cidades”, comenta o secretário.

No início de julho, uma quadrilha que se preparava para roubar o Banco do Brasil (BB) de Surubim, na Zona da Mata Norte, foi presa antes de consumar o ato. No dia 12 do mesmo mês, quatro criminosos que tentaram investir contra o BB de Buenos Aires, também na Mata Norte, foram mortos em confronto com a PM.

JC-CID0821_MEDO_ARTE_WEB




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM