Jornal do Commercio
Segurança pública

Delegados decidem não fazer mais plantões adicionais e cerca de 90 delegacias podem fechar as portas no Estado

De acordo com a Adeppe, PJES estariam prejudicando as investigações policiais

Publicado em 01/09/2016, às 19h32

Francisco Rodrigues (centro) afirmou que o PJES nada mais é que um programa de pagamento de horas extras que não remunera corretamente os servidores / Foto: Adeppe/ Divulgação
Francisco Rodrigues (centro) afirmou que o PJES nada mais é que um programa de pagamento de horas extras que não remunera corretamente os servidores
Foto: Adeppe/ Divulgação
JC Online

A Associação de Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe) informou, nesta quinta-feira (1º), que cerca de 200 delegados do Estado não trabalharão mais no Programa de Jornada Extra da Segurança (PJES), uma espécie de plantão adicional. Como consequência, segundo a entidade, aproximadamente 90 delegacias do Estado serão fechadas, da Zona da Mata ao Sertão.

“O PJES nada mais é que um programa de pagamento de horas extras que não remunera corretamente os servidores”, cravou Francisco Rodrigues, presidente da Adeppe. Rodrigues disse ainda que o modo como o programa funciona prejudica as investigações policiais. “Estamos trabalhando basicamente em flagrantes, não estamos investigando. Assaltos a ônibus, a carros-forte, não estão sendo devidamente investigados”, completou.



Com a entrega dos PJES pelos delegados, 23 delegacias da Zona da Mata pernambucana devem fechar as portas (nas regiões de Goiana, Palmares e Vitória de Santo Antão), além de 14 no Agreste (na área de Garanhuns) e cerca de 50 em todo o Sertão, diz a Adeppe.

A associação também lançou, hoje, uma campanha publicitária para denunciar os números da violência em Pernambuco. As “Olimpíadas do Medo” cobram providências do governo em relação aos mais de 2,6 mil homicídios cometidos no Estado de janeiro a julho deste ano.



Comentários

Por Vladimir Tenorio,02/09/2016

Certa vez presenciamos no governo de Jarbas vasconcelos, alguns servidores da area de segurança se queixando e solicitando equiparação ao salario dos Delegados, Jarbas se virou para este grupo e perguntou se eles tinham formação em Direito, alguns disseram que sim, pois bem disse Jarbas abrirei concurso este ano, estudem e passem. SIMPLES ASSIM .

Por FRANCISCO ,02/09/2016

Acho que Eduardo deveria assumir a SDS pois ele já tem a solução para o aumento da violência. Não entendo como a imprensa posta comentários deste tipo que trazem nada de relevante. Deve ser mais um "expert" em Segurança Pública, assim como em todos os assuntos que perguntar a ele.

Por Marco Aurélio,02/09/2016

Na verdade, as delegacias funcionam com os agentes e escrivães. Os delegados ficam trancados em suas salas dormindo ou estudando para outros concursos. No fim do plantão eles assinam o que têm para assinar. Toda vida foi assim e todos sabem.

Por valmir pontes,02/09/2016

Senhor Eduardo, certamente você é um frustrado na sua carreira profissional e não entendi de Lei. Delegado é sempre sempre será autoridade de policia Judiciaria, a não ser que retrocedermos ao tempo e se coloque subalternos de outras corporações para ocupar os cargos, aí amigo !!!!! Fecha a porteira joga a chave fora que isso não é um país é um BORDEL !!!!!

Por Paula Bulamarque,02/09/2016

Temos que ter uma polícia única(como nos EUA) e com carreira única, onde dentro dela teríamos :investigadores, polícia ostensiva e corregedoria.Polícia e Ministério Público integrados como nos EUA.Temos que acabar com esta separação das polícias, desmilitarizá-la, acabar com cargos de Delegados, Coronéis, etc e fazer uma polícia ÚNICA(onde cada um seria aproveitado segundo sua qualificação e aptidão).Acabar com o inquérito e que o Promotor trabalhe integrado as polícias unificadas para de lá os acusados já saiam denunciados à Justiça.Unificação e reordenamento das polícias já.E claro, a partir daí uma reestruturação salarial com PCCV digno.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM