Jornal do Commercio
Educação

Duas escolas municipais do Recife batem a meta do Ideb para 2021

As Escolas Fernando Santa Cruz e Lagoa Encantada conquistaram notas 6 e 6,1, respectivamente, no Ideb 2015

Publicado em 10/09/2016, às 08h08

Alunos da Escola Fernando Santa Cruz, no bairro de Jordão Baixo, em atividade na mesa de jogos interativos / Foto: André Nery/JC Imagem
Alunos da Escola Fernando Santa Cruz, no bairro de Jordão Baixo, em atividade na mesa de jogos interativos
Foto: André Nery/JC Imagem
Da Editoria Cidades

Duas escolas municipais do Recife bateram, em 2015, a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) estabelecida para o Brasil em 2021, nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano), que é de 6, numa escala que vai de zero a dez. A Escola Fernando Santa Cruz, em Jordão Baixo, na Zona Sul da cidade, alcançou 6 no Ideb 2015 e a Escola Lagoa Encantada, no Ibura, bairro da mesma região, conquistou 6,1.

“Ficamos felizes com o resultado e sabemos que há muito o que melhorar, mas o nosso caminho está certo”, afirma o secretário de Educação do Recife, Jorge Vieira, ao comentar o desempenho das escolas de anos iniciais do ensino fundamental na última avaliação do Ideb, divulgada quinta-feira (8). Com média geral de 4,6, os colégios atingiram a meta estipulada para Pernambuco, em 2015, pelo Ministério da Educação. A rede municipal tem 309 unidades de ensino, entre escolas, creches e creches-escolas.

O desafio, a partir de agora, é replicar os bons exemplos para ajudar a elevar a nota nas demais unidades de ensino, diz o secretário. “Todas as escolas utilizam os mesmos programas e têm os mesmos recursos”, observa Jorge Vieira. “O resultado do Ideb 2015 mostra que a escolha de ações inovadoras foi acertada”, acrescenta. Como exemplo, cita o programa de robótica nas escolas.

“Quem diria um dia que alunos carentes da rede municipal seriam campeões brasileiros de robótica e chegariam à oitava colocação no mundo?”, observa o secretário. Ele também aponta o currículo unificado e o monitoramento pedagógico como pontos positivos.

ESCOLAS

Na avaliação de Ivaneide Ferreira de Paula, diretora da Escola Fernando Santa Cruz, a nota 6 no Ideb 2015 é fruto do compromisso de toda a equipe escolar. “A receita é trabalhar com amor e dedicação”, ensina. Os 133 alunos do colégio, diz ela, são estimulados a ler, as salas de aula oferecem equipamentos necessários para o aprendizado e o ensino se completa com mesas jogos interativos.



“Ao contrário do que muita gente pensa, nas escolas públicas há professores comprometidos na capacitação dos alunos. A gestão democrática faz a diferença”, ressalta Marleide Gondim, vice-diretora da escola.

Mães de alunos da Escola Fernando Santa Cruz comemoraram a notícia. “O ensino é bom e todos tratam bem as crianças, do vigia à merendeira, meu filho está alfabetizado e daqui só sai quando concluir o 5º ano”, diz Laura Cristina Soares da Silva, mãe de Lucas Rafael Silva, 8 anos.

Para Sileide Gonçalves, diretora da Escola Lagoa Encantada, a nota do colégio passou de 3,6 (2013) para 6,1 graças ao esforço coletivo da comunidade escolar. “Conversarmos com os alunos sobre a importância dessa avaliação, estimulamos o gosto pela leitura e contamos com o empenho e o compromisso dos professores”, afirma. Ela e a vice-diretora, Liduína Vieira informam que não há registro de evasão de alunos nos últimos anos. “Quando a criança chega a cinco faltas, procuramos a família”, diz Sileide.

IDEB

Espécie de nota para as escolas, o Ideb é um mecanismo de avaliação da qualidade do ensino com base nas taxas de aprovação, reprovação e evasão, além do desempenho em prova de português e matemática.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM