Jornal do Commercio
Parque Capibaribe

Segunda etapa do Parque Capibaribe começa em junho no Recife

O novo trecho do Projeto Parque Capibaribe será implantado às margens do rio, entre as Pontes da Torre e da Capunga, nas Graças

Publicado em 12/05/2017, às 08h08

Simulação de playground do novo trecho do Parque Capibaribe, na Zona Norte do Recife / Foto: Divulgação/Prefeitura do Recife
Simulação de playground do novo trecho do Parque Capibaribe, na Zona Norte do Recife
Foto: Divulgação/Prefeitura do Recife
Da Editoria Cidades

O primeiro trecho da nova etapa de implantação do Parque Capibaribe, entre as Pontes da Capunga e da Torre, nas Graças, bairro da Zona Norte da capital pernambucana, terá início em junho de 2017. De acordo com a Empresa de Urbanização do Recife (Urb), responsável pela obra, a licitação para escolha da empresa que executará a Via Parque corre no prazo previsto e será finalizada até o fim de maio.

Duas candidatas participam do certame, uma empresa paraibana e um consórcio formado por três empresas de Pernambuco. O consórcio entrou com recurso contra a concorrente e a Urb tem até segunda-feira da semana que vem (15) para responder. O prazo para réplica é de cinco dias úteis, informa a diretora de Planejamento e Projetos da Urb, Rúbia Campelo.

Divulgada em novembro do ano passado, a segunda etapa do Parque Capibaribe ocupará 950 metros de extensão das margens do Rio Capibaribe, de uma ponte à outra, com píer, mirante, ciclovia, duas vias compartilhadas entre carro e bicicleta, dois espaços para contemplação da paisagem e passarela sobre o rio. Todas as licenças estão aprovadas, afirma Rúbia Campelo. “Desde janeiro é feito o monitoramento semanal do projeto”, diz ela.

A obra foi avaliada em R$ 28.375.410,87, com verba do PAC Pavimentação. Segundo a arquiteta Rúbia Campelo, não haverá necessidade de desapropriação de imóveis nesse trecho do parque. Três prédios residenciais construídos na área e a Faculdade Maurício de Nassau deverão recuar o muro, para liberar as margens rio, mas a prefeitura não terá despesa com pagamento de indenização. Com a instituição de ensino, o município fez acordo.

Nos anos 80 e 90, quando os projetos dos edifícios residenciais foram aprovados, ficou acertado que os condomínios deveriam recuar os muros, no futuro, para abrir passagem a uma via na beira-rio, esclarece Rúbia Campelo. “Há termo de compromisso assinado.” A proposta da via sofreu mudanças e incorporou mais um pedaço do Parque Capibaribe.



BAOBÁ

“A população terá uma melhor percepção do parque às margens do rio nessa segunda etapa, entre as Pontes da Torre e da Capunga”, destaca o arquiteto Romero Pereira, secretário-executivo de Projetos Especiais da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Recife. O Jardim do Baobá, primeiro trecho do Parque Capibaribe, tem apenas cem metros de extensão, e menos equipamentos públicos.

Na futura Via Parque, motoristas que trafegam pela Avenida Joaquim Nabuco poderão acessar a beira-rio na cabeceira da Ponte da Capunga, diz ele. Outro trecho para carro será implantado no fim da Rua Manoel de Almeida e levará os condutores de veículos motorizados até a cabeceira da Ponte da Torre, caminho já utilizado espontaneamente. Lá, o motorista deverá girar à direita, no sentido da Rua Amélia.

O Projeto Parque Capibaribe, que prevê intervenções ao longo de 30 quilômetros de margens do rio (15 km de cada lado) até 2037, começou a ser desenhado em 2013, a partir de um convênio entre a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente e um grupo interdisciplinar da Universidade Federal de Pernambuco.

Em setembro de 2016, a prefeitura inaugurou o Jardim do Baobá, piloto do projeto, com 2,2 mil metros quadrados, nas imediações da antiga Estação Ponte d’Uchoa, também no bairro das Graças.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM