Jornal do Commercio
TRF5

Condenados pela morte do promotor Thiago Faria entram com recurso para anular julgamento

Crime cometido em 2013 tirou a vida do promotor enquanto ele dirigia pela rodovia PE-300, em direção a Itaíba

Publicado em 20/06/2017, às 17h33

Thiago, ao centro, o jurista Luis Flávio Gomes e a noiva, Mysheva (que saiu ferida no atentado) no lançamento dos livros do promotor / Reprodução do Facebook
Thiago, ao centro, o jurista Luis Flávio Gomes e a noiva, Mysheva (que saiu ferida no atentado) no lançamento dos livros do promotor
Reprodução do Facebook
JC Online

José Maria Domingos Cavalcante e José Cavalcante, condenados pela morte do promotor Thiago Farias Soares, em Itaíba, Agreste de Pernambuco, entraram com um recurso de apelação para tentar anular o julgamento do caso, realizado em 2016, pelo tribunal do juri da Justiça Federal em Pernambuco. A Procuradoria Regional da República da 5ª Região (PRR5) recomenda que o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) não aceite o pedido.

Em dezembro de 2016, o Tribunal do Júri condenou José Maria Domingos Cavalcante pela participação no homicídio de Thiago Faria, assassinado a tiros na manhã de 14 de outubro de 2013, enquanto dirigia pela rodovia PE-300, em direção à cidade de Itaíba.

No veículo da vítima, também estavam sua noiva, Mysheva Freire Ferrão Martins, e o tio dela, Adautivo Elias Martins, que sobreviveram. José Maria Domingos Cavalcante foi um dos cinco acusados de ter praticado o crime. Os demais são: José Maria Pedro Rosendo Barbosa, conhecido por “José Maria de Mané Pedro”, e José Marisvaldo Vitor da Silva, o “Passarinho”, ambos condenados e presos; Antônio Cavalcante, vulgo “Peba”, que está foragido; e Adeildo Ferreira dos Santos, o “Louro”, que foi absolvido.

Anulação

Maria Domingos Cavalcante pede que o julgamento que o condenou pela prática de homicídio seja anulado ou, subsidiariamente, revisado. Já José Cavalcante também pediu para ter a prisão preventiva revogada e, assim, poder responder em liberdade.



Ambos os pedidos devem ser negados pelo TRF5, caso seja seguido o entendimento do PRR5, que alega não haver motivos para a concessão da liberdade ao réu após a sua condenação pelo Tribunal do Júri. “O contexto permanece inalterado, com a agravante da condenação pelo soberano conselho de sentença”, afirma o parecer emitido pela procuradoria.

José Cavalcante alega que o julgamento em questão seria nulo por ter sido realizado sem a preclusão da decisão de pronúncia. No entanto, o MPF entendeu que os recursos extraordinários apresentados pelo réu a fim de questionar a decisão de levá-lo a Júri Popular não têm o poder de suspender o processo e que, por isso, o Júri poderia acontecer. Seu resultado, portanto, permaneceria válido.

Outra alegação do réu na tentativa de anular o julgamento foi a de que os jurados decidiram seu destino sem considerar as provas constantes nos autos, argumento prontamente rebatido pelo MPF. Analisando todos os elementos colhidos ao longo do processo, o MPF concluiu que há provas robustas acerca da participação de José Cavalcante no crime e que elas embasaram o entendimento dos jurados.

O último argumento apresentado pelo réu contra a sentença foi o de que a juíza não teria observado o princípio constitucional da individualização da pena no momento de fixá-la. O MPF, contudo, entendeu que a magistrada analisou todos os elementos pertinentes e apresentou a devida fundamentação para chegar à pena.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM