Jornal do Commercio
Desigualdade

Ipea revela que vulnerabilidade é maior para mulher negra

Atlas permite recorte que analisa os indicadores sociais, de acordo com as variáveis de gênero, cor e domicílio

Publicado em 24/08/2017, às 07h39

Mulheres negras sofrem maior vulnerabilidade social, diz Ipea / Foto: JC Imagem
Mulheres negras sofrem maior vulnerabilidade social, diz Ipea
Foto: JC Imagem
Ciara Carvalho
ciaracalves@gmail.com

Os mais vulneráveis entre os vulneráveis. O estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) permite um recorte que analisa os indicadores sociais, de acordo com as variáveis de gênero, cor e domicílio. A constatação é que a desigualdade e exclusão no Brasil atinge, de forma mais contundente, os seguintes segmentos: as mulheres, as mulheres negras e, mais ainda, as mulheres negras que vivem na área rural.

Os dados desagregados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) mostram que, no caso da mulher negra, a situação é sempre mais sensível. Esse grupo apresentou, em 2015, alta vulnerabilidade social na dimensão capital humano – que envolve condições de saúde e acesso à educação. Nessas mesmas condições, as mulheres brancas estavam na faixa de média vulnerabilidade.



DESIGUALDADES


Embora com uma diferença substancial de 37%, pela primeira vez desde 2000 a população negra ocupa a mesma faixa de baixa vulnerabilidade social que a população branca. No entanto, quando se analisa a trajetória desses mesmos grupos, a vulnerabilidade social de pessoas negras era 49% maior que a de pessoas brancas em 2000 e essa diferença continuou alta em 2010 (48%).

“Em números absolutos, os resultados evidenciam que a desigualdade de cor continua significativa, ou seja, os dez anos de referência não foram suficientes para minimizar ou reduzir significativamente esta desigualdade”, constata o estudo do Ipea.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM