Jornal do Commercio
Patrimônio

Olinda completa 50 anos como patrimônio histórico brasileiro

O título foi concedido pela União para a Cidade Alta de Olinda, com 1,2 quilômetro quadrado de preservação rigorosa e 10,4 quilômetros quadrados de proteção total

Publicado em 22/04/2018, às 08h08

Arquitetura, casario e mar formam a paisagem protegida em Olinda / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Arquitetura, casario e mar formam a paisagem protegida em Olinda
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Há 50 anos, em 19 de abril de 1968, a Cidade Alta de Olinda recebeu o título de patrimônio histórico brasileiro e a missão de preservar para as gerações futuras edifícios coloniais dos séculos 16 e 17, fachadas de azulejo do século 18, casas neoclássicas do século 19 e a arquitetura eclética do século 20. O tombamento começa pelo casario antigo, adentra nos quintais verdes e se completa com a vista para o mar.

“Casario, vegetação e mar é o tripé que dá sustentação ao tombamento de Olinda pela União e também ao título concedido pela Unesco em 1982, de Cidade Patrimônio da Humanidade”, afirma o engenheiro do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan-PE) Frederico Almeida. As leis de proteção do Sítio Histórico do município, diz ele, foram criadas para manter os três pilares em equilíbrio.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

O desafio dos poderes públicos ao longo desses 50 anos é tentar evitar a descaracterização da arquitetura e o corte das árvores nos quintais da cidade, fundada em 1535 e que completou 483 anos em 12 de março último. “Por falta de controle urbano, os quintais estão sendo devastados. De 1970 a 2005, o Sítio Histórico perdeu 25% da sua cobertura vegetal”, afirma o arquiteto da Secretaria de Patrimônio e Cultura de Olinda Clodomir Barros.

Ele fez o levantamento para a pesquisa de mestrado em desenvolvimento urbano e alerta para o aumento do desmatamento nos últimos anos. “Isso é preocupante, a paisagem faz parte do tombamento. Michel Parent (inspetor da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Unesco) descreve Olinda como um jardim entremeado de arquitetura”, acrescenta a arquiteta Nazaré Reis.

A destruição das árvores dos quintais é mais significativa do que as modificações nas fachadas do casario, na avaliação de Nazaré Reis, representante da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) no Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda. “E não é de hoje que isso está acontecendo”, destaca a arquiteta. Os problemas se agravaram, observa Clodomir Barros, a partir de 1995 com o desmonte do Sistema de Preservação dos Sítios Históricos criado em 1979.



Vanguarda

“O sistema, formado pelo conselho, fundo de preservação e órgão executor, era considerado de vanguarda e serviu de modelo para o mundo”, destaca Plínio Victor, arqueólogo da prefeitura. A cidade foi obrigada por lei a ter uma estrutura que cuidasse do patrimônio para conseguir o título da Unesco e o sistema não pode ser revogado porque sem ele Olinda perde a certificação mundial, explica Plínio Victor.

Em 1995, a Fundação Centro de Preservação dos Sítios Históricos, órgão executor do sistema, foi substituída pela Secretaria de Patrimônio, que é mais vulnerável a questões políticas, observa o também arqueólogo da prefeitura José Aylton Coelho. Com as mudanças, as obras passaram a ser executadas por secretarias distintas, sem a visão única e integrada dos técnicos como na época da fundação, completa Valéria Macedo, engenheira da Secretaria de Patrimônio e Cultura.

A fundação tinha mais de 200 funcionários, dos quais 100 específicos para executar obras, como canteiros, marceneiros e pedreiros, recorda Patrícia Pedrosa, arquiteta da prefeitura e presidente do Conselho de Preservação. O Sítio Histórico, diz ela, deixou de ser tratado como uma área especial desde que o sistema de preservação ficou inativo (não é considerado extinto). O resultado é visível nas fachadas modificadas do casario e nos postes cheios de fios nas ruas, ressalta.

“Este deveria ser um ano de celebrações para Olinda – 50 anos do título de patrimônio nacional e 80 anos do tombamento isolado das primeiras edificações da Cidade Alta pelo Iphan, como o Mosteiro de São Bento, Convento de São Francisco, Igreja da Graça e a casa 28 da Rua do Amparo, entre outros – mas no lugar de comemorar estamos juntando frustrações”, lamenta o arquiteto Clodomir Barros.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();