Jornal do Commercio
História

Convento de São Francisco de Olinda: patrimônio do Brasil há 80 anos

A partir deste domingo (20/05), até o próximo dia 28, o JC e JCOnline publicam série de reportagens sobre os primeiros prédios de Olinda tombados individualmente como patrimônio do Brasil. Das dez edificações selecionadas pelo Iphan, 80 anos atrás, sete são igrejas, uma abrigou o Palácio Episcopal e duas eram moradia. Protegidos por lei federal, os imóveis não podem ser destruídos nem descaracterizados. Conheça hoje o primeiro convento franciscano do País, que remonta ao século 16

Publicado em 20/05/2018, às 08h08

Os azulejos são os principais atrativos no convento franciscano, diz frei Rogério Lopes / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Os azulejos são os principais atrativos no convento franciscano, diz frei Rogério Lopes
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

A história do Convento de São Francisco, na Cidade Alta de Olinda, começa em 1577 quando a pedido de Dona Maria da Rosa, uma benfeitora, é construído um pequeno prédio para receber os frades portugueses que viriam morar no Brasil. Eles só chegam em 1585, a edificação foi incendiada pelos holandeses em 1631 e os religiosos levaram 42 anos para refazer a nova casa.

É esse prédio, erguido aos poucos de 1712 a 1754 com a típica arquitetura franciscana barroca, que recebe o título de patrimônio brasileiro em 1938. “Tudo o que sobrou do antigo imóvel depois do incêndio foi a Capela do Capítulo, onde os frades rezavam e faziam as reuniões de planejamento”, informa frei Rogério Lopes, guardião do convento.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

Com um altar de talha dedicado a Nossa Senhora Sant’Ana e decorada com azulejos coloridos, a capela faz parte do roteiro de visitas do Convento de São Francisco. “Todas as pedras desse prédio falam, elas guardam a nossa história e quando contamos essa história aos visitantes estamos preservando a nossa memória”, diz frei Rogério Lopes.

O grande atrativo da edificação secular são os azulejos portugueses, espalhados em vários ambientes, afirma o frade. No claustro, os painéis do século 18 contam passagens da vida de São Francisco. Os azulejos que forram a nave da Capela de Sant’Ana retratam o casamento dos avós de Cristo (São Joaquim e Santana, pais de Maria), entre outras imagens do casal, baseadas nos evangelhos apócrifos.

Um dos painéis de azulejo da Igreja de Nossa Senhora das Neves mostra a circuncisão de Jesus. “É uma cena rara e emociona o público”, destaca frei Rogério. Pela nave da igreja o visitante tem acesso à Capela de São Roque, da Ordem Terceira de São Francisco (associação de leigos católicos), separadas por um arco em talha.

A sacristia decorada com móveis de jacarandá, mesa de mármore, azulejos e pinturas a óleo sobre madeira no forro do teto retratando a devoção franciscana a Nossa Senhora é outra relíquia no Convento de São Francisco. “É um lugar de muito bom gosto e a vista para o mar é belíssima”, destaca frei José Milton de Azevedo Coelho. Segundo ele, Dona Maria da Rosa servia de intérprete na confissão de índios.



Visita

Os religiosos cobram R$ 2 pela visita e o dinheiro arrecadado ajuda na manutenção do Convento de São Francisco, onde moram seis frades. Como a taxa de acesso não sustenta a edificação, desde 2015 eles abriram as portas do convento para retiros de espiritualidade franciscana. “Afora isso, alugamos o auditório para palestras e cursos de capacitação e temos os recursos dos casamentos”, afirma frei Rogério.

Populares também colaboram com doações espontâneas. “Pintamos a área externa do prédio com verba doada pela comunidade. Nós promovemos momentos de encontro com a população, para as pessoas sentirem que esse monumento também é delas. É um patrimônio com mais de 400 anos de história que pertence a todos, não só aos franciscanos”, ressalta o guardião. A parceria com o Iphan permite obras de restauração, acrescenta.

No momento, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) está recuperando a torre, a pintura e a cantaria (pedra) que contorna portas e janelas da fachada do Convento de São Francisco, com recursos do PAC Cidades Históricas do governo federal. A obra também contempla intervenção no pátio defronte da igreja para reintegrá-lo ao cruzeiro, como antigamente.

“Em 1934, três anos antes da criação do Iphan, cortaram o adro para a circulação de veículos pela Ladeira de São Francisco e a igreja ficou separada do cruzeiro. Agora vamos recuperar essa paisagem, mas os carros continuarão passando na rua”, informa Frederico Almeida, engenheiro do Iphan-PE.

Serviço

Convento de São Francisco
Ladeira de São Francisco, 280, Carmo
Fone: (81) 3429-0517 e 3439-3320
Visitas: segunda a sexta das 8h às 11h30 e das 14h às 16h30; sábado das 8h às 12h




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM