Jornal do Commercio
História

Igreja do Monte é o mais antigo templo católico de Olinda

A sexta reportagem da série sobre os primeiros prédios tombados individualmente como patrimônio nacional em Olinda traz hoje (25/05) a história da Igreja de Nossa Senhora do Monte, ocupada por monjas beneditinas há 55 anos

Publicado em 25/05/2018, às 08h08

Irmã Maria Regina, prioreza da Abadia de Nossa Senhora do Monte, em Olinda / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Irmã Maria Regina, prioreza da Abadia de Nossa Senhora do Monte, em Olinda
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Simples e elegante, a Igreja do Monte é o primeiro templo cristão de Olinda dedicado a Nossa Senhora. O prédio foi construído em 1535, o ano de fundação da cidade, a pedido de Duarte Coelho, donatário da Capitania de Pernambuco. Escapou do incêndio promovido pelos holandeses em 1631, passou por reformas e chegou aos dias atuais como a mais velha igreja olindense comprovada em documento.

A edificação de origem, do século 16, era uma ermida dedicada a Nossa Senhora do Monte e hoje corresponde à capela-mor do prédio. Alguns anos depois a igreja é ampliada, ganhando a nave – local onde os fiéis assistem à missa – com piso de ladrilho e os nichos de São Bento, São Gregório Magno (Papa de 590 a 604), Santa Escolástica e Santa Gertrudes.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

“Os portugueses sempre foram muito católicos e onde chegavam construíam igrejas para manter a fé, eles trouxeram da Ilha da Madeira para cá a devoção a Nossa Senhora do Monte”, declara Irmã Maria Regina Menezes. Em 1586, a Igreja do Monte é cedida aos monges da Ordem de São Bento, que prestavam assistência religiosa à comunidade vizinha do templo, diz ela.

Somente em 1963, com a chegada de sete monjas beneditinas de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é criado o Mosteiro de Nossa Senhora do Monte. Do grupo fundador, duas ainda vivem em Olinda, duas moram em Belo Horizonte e três faleceram, informa Irmã Maria Regina. Atualmente, o convento é ocupado por 17 religiosas, que têm como profissão rezar e orar.

“Nos reunimos sete vezes por dia para orar e durante os ofícios da manhã e da tarde as portas da igreja ficam abertas para quem quiser rezar junto com a gente”, convida Irmã Maria Regina, prioreza da Abadia de Nossa Senhora do Monte. A Liturgia das Horas, momento de oração pública e comunitária, começa às 4h45 com a Vigília, nome dado ao primeiro ofício do dia.



A próxima oração, às 5h50, é chamada de Laudes e antecede a missa das 6h30 de segunda a sábado e a celebração das 7h30 do domingo. “Temos a Hora Meridiana às 12h e as Vésperas no período da tarde. Por segurança, não abrimos a igreja para as Completas, o ofício das 19h30”, avisa. O prédio recebe os visitantes a semana inteira, pela manhã e à tarde, sem cobrar taxa de acesso.

Restauração

Conhecidas pelos biscoitos artesanais – os famosos bricelets – de fabricação própria, as monjas fazem a manutenção de rotina da Igreja do Monte, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) há 80 anos. “Estamos sempre ajeitando o telhado danificado por urubus, eles usam o nosso teto por causa da redução de árvores no bairro”, observa.

O prédio atual da Igreja do Monte é do século 18, com a preservação de trechos característicos dos séculos anteriores. “A fachada é rococó e a portada (cercadura em volta da porta principal) é seiscentista da primeira metade do século 17, de estilo maneirista muito clássica”, informa o engenheiro do Iphan Frederico Almeida. Na sacristia há um lavabo de pedra do século 17.

“É idêntico às duas pias do refeitório do Mosteiro de São Bento e servia para os padres lavarem as mãos”, acrescenta Irmã Maria Regina. A portada, com duas torres de pedra, foi restaurada em 1993 por escultores alemães. Na ocasião, o Iphan fez o reforço estrutural da edificação. A restauradora Débora Mendes recuperou a capela-mor, neoclássica, num trabalho executado em 2004.

Ao longo da obra de restauração, Débora Mendes encontrou a antiga barra de azulejo português da parede da capela e deixou fragmentos aparentes, como registro histórico. Também fez o mesmo procedimento com a pintura original jaspeada (semelhante à pedra jaspe) do altar nas cores azul e carmim e com outra pintura industrial mais recente na parede da igreja.

Serviço

Igreja do Monte
Praça Nossa Senhora do Monte, bairro do Monte
Fone: (81) 3429-0317




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM