Jornal do Commercio
Olinda

Sem-teto fazem ocupação na área da antiga torre da TV Manchete

A ocupação no terreno da torre de transmissão da extinta Manchete foi realizada dia 7 de junho por mais de 60 famílias

Publicado em 13/06/2018, às 07h07

A área ocupada abrigou a TV Manchete nos anos 1980 / Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
A área ocupada abrigou a TV Manchete nos anos 1980
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Da Editoria Cidades

Cerca de 60 famílias do bairro de Ouro Preto, em Olinda,  iniciaram desde quinta-feira passada, 7 de junho, uma ocupação no terreno em volta da torre de transmissão da extinta TV Manchete. O grupo alega não ter dinheiro para pagar aluguéis e por isso resolveu construir casas de tábuas no local. Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), a torre de televisão encontra-se em processo de tombamento na Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe).

O presidente da Associação da Imprensa de Pernambuco (AIP), Múcio Aguiar, que solicitou o pedido de tombamento estadual da torre em agosto de 2017, disse que a ocupação coloca em risco a preservação da memória da imprensa local. De acordo com Rosicleide Pinheiro, uma das líderes do grupo, as famílias sabem da importância histórica da torre da antiga TV para a comunidade e nenhum dos ocupantes participou da depredação do prédio.

“Vândalos que vieram de várias localidades destruíram o forro (do térreo) e estavam subindo a torre pela escadaria. Nós compramos cimento e fechamos ontem (anteontem) a porta de acesso à escada. Também vamos vedar a porta do elevador, que não existe mais, para evitar acidentes com as crianças. Não ocupamos a torre, apenas o terreno. Estamos preservando o que é nosso”, declara Rosicleide Pinheiro.

Na manhã dessa terça-feira (12) havia homens e mulheres limpando o terreno e levantando casas em espaços demarcados. “Nós queremos uma melhoria para todos, não temos escolas, creches e área paras as crianças e os jovens brincarem”, diz Edna Cristina de Lima, que também está à frente da ocupação. “As pessoas que vieram para cá viviam na casa da mãe ou pagando aluguel, mas são desempregados e dependem de biscate”, acrescenta Rosicleide.



Depois de vistoriar o local,  terça-feira (12) pela manhã, a Fundarpe decidiu fazer uma notificação e encaminhar ao responsável pelo imóvel para que sejam tomadas as providências. De acordo com Múcio Aguiar, não há representante da massa falida da TV Manchete em Pernambuco. A AIP, diz ele, aguarda o posicionamento da Fundarpe sobre a ocupação. Até a decisão final sobre o pedido de tombamento, a torre de transmissão é considerada, por lei, um bem protegido pelo Estado.

Olinda

Em 2013, a Sociedade Olindense de Defesa da Cidade Alta (Sodeca) solicitou ao Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda o tombamento da torre da Manchete. “No mesmo documento, pedimos que a prefeitura entrasse em contato com o escritório de Oscar Niemeyer e solicitasse o projeto para concluir obra em Ouro Preto, que previa um centro cultural e ficou inacabado. Isso seria feito com patrocínio”, informa o arqueólogo Plínio Victor.

O arqueólogo fez a justificativa do pedido de tombamento como integrante da Sodeca. “O documento sumiu do Conselho de Preservação e a proposta não andou”, lamenta Plínio Victor. A Manchete foi inaugurada em Olinda na década de 1980.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM