Jornal do Commercio
Patrimônio

Arquidiocese pretende dar uso misto ao Seminário de Olinda

Interditados desde maio de 2015, Seminário de Olinda e Igreja da Graça passarão por obra emergencial a partir de 26 de junho

Publicado em 24/06/2018, às 08h08

Piso da Igreja da Graça também precisa de reparos / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Piso da Igreja da Graça também precisa de reparos
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Projeto para ocupação mista do Seminário de Olinda, no Alto da Sé, está sendo avaliado pela Arquidiocese de Olinda e Recife como alternativa para a sustentabilidade do prédio histórico. A ideia seria ocupar a maior parte do imóvel com suas funções de origem – formação de seminaristas – e abrir espaço na edificação para a iniciativa privada. “É uma forma de garantir renda e evitar que daqui a dez anos estejamos passando por esses mesmos problemas”, afirma padre Rinaldo Pereira.

O seminário e sua igreja, dedicada a Nossa Senhora da Graça, foram interditados pela Defesa Civil da cidade desde maio de 2015 por causa de avarias generalizadas. Só agora a arquidiocese conseguiu recursos suficientes para dar início à obra emergencial nos dois imóveis, a partir desta semana. “Temos R$ 1,5 milhão proveniente da Lei Rouanet (Lei Federal de Incentivo à Cultura) e de doações espontâneas, diz Padre Rinaldo, presidente da Comissão de Cultura da Arquidiocese.

Dom Fernando Saburido, arcebispo de Olinda e Recife, assinará a ordem de serviço para autorizar a execução da obra, às 15h de terça-feira (26/06), numa solenidade no prédio do seminário. O dinheiro arrecadado será utilizado na recuperação do telhado da igreja e na reforma da coberta e do assoalho da bedelagem (antiga sala do bedel, inspetor de alunos), uma das dependências do Seminário de Olinda. “São as áreas mais comprometidas, o piso da bedelagem está escorado”, afirma o sacerdote.

REABERTURA

As intervenções serão realizadas em 12 meses, evitarão riscos de desabamento e aumento da degradação dos edifícios, mas não asseguram a reabertura do Seminário de Olinda e da Igreja da Graça, avisa padre Rinaldo. “O piso da igreja estufou e precisamos fazer esse conserto antes de ela voltar a funcionar”, justifica. A arquidiocese continua em busca de parceiros para dar continuidade à obra. “Poderemos reabrir a igreja em 2019 se captarmos mais recursos nesse período de um ano.”



Uma empresa do Rio Grande do Norte, a PS Engenharia Ltda, vai executar a obra, que terá acompanhamento da Arquidiocese de Olinda e Recife e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A Igreja da Graça, uma das construções religiosas mais antigas de Olinda, foi erguida em 1535 a pedido do primeiro donatário da Capitania de Pernambuco, Duarte Coelho. A capela de origem passou por reformas com ampliação em 1551, realizadas por padres jesuítas.

O Colégio dos Jesuítas, ao lado da igreja, é construído pela Companhia de Jesus ainda no século 16. No fim do século 18 os dois imóveis são entregues à Diocese de Olinda e a antiga escola passa a funcionar como seminário. A Igreja da Graça tem estilo maneirista, uma transição entre o renascimento (sem registros no Brasil) e o barroco, de acordo com o engenheiro do Iphan-PE, Frederico Almeida. Restaurada na década de 1970, a igreja voltou às características do século 16, perdidas em reformas anteriores.

BELAS ARTES

Sem uso no fim dos anos 1950, o prédio do Seminário de Olinda foi a primeira sede da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), fundada em 1959 quando o curso separou-se da Escola de Belas Artes. “Alunos e alunas funcionaram como ajudantes de construção, capinando e transportando tijolos e telhas (até o seminário). Arquitetos e professores cederam pranchetas e bancos dos seus escritórios para ambientar salas de aulas”, recorda o urbanista Zildo Sena Caldas, professor emérito da UFPE.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM