Jornal do Commercio
ILEGALIDADE

Celpe diz que 87% de empresas de internet usam rede clandestina na RMR

Um levantamento da Celpe em nove municípios identificou que mais de 400 empresas trabalham de forma irregular

Publicado em 03/07/2018, às 19h46

Na capital pernambucana, foram catalogados 117 prestadores de serviço de internet, dos quais 19 possuem contrato de compartilhamento de uso dos postes / Foto: Reprodução/ Celpe
Na capital pernambucana, foram catalogados 117 prestadores de serviço de internet, dos quais 19 possuem contrato de compartilhamento de uso dos postes
Foto: Reprodução/ Celpe
JC Online

Um levantamento estatístico conduzido pela Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) aponta que 87% dos provedores de internet, no Grande Recife, utilizam clandestinamente os postes da distribuidora. O mapeamento foi realizado em nove municípios e está direcionando as ações de ordenamento dos cabos de telefonia e telecomunicações.

Em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, 94% das empresas que prestam o serviço não têm contrato com a concessionária de energia. Segundo a Celpe, as fiações irregulares causam poluição visual, prejudicam o fornecimento de energia e colocam em risco a vida de pessoas.

A operação identificou mais de 400 empresas que instalaram redes em postes à revelia da distribuidora. O Recife concentra o maior número de provedores irregulares. Na capital pernambucana, foram catalogados 117 prestadores de serviço de internet, dos quais 19 possuem contrato de compartilhamento de uso dos postes.

Além do Recife e Jaboatão, a concessionária vistoriou redes nas cidades de Abreu e Lima, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Igarassu, Olinda, Paulista e São Lourenço da Mata, todos na Região Metropolitana do Recife (RMR).

A Celpe realiza, periodicamente, a fiscalização dos postes para certificar se as empresas de telecomunicações possuem contrato e estão instalando corretamente os equipamentos. Ao identificar cabos instalados clandestinamente, a concessionária realiza a imediata remoção, com a finalidade de garantir a segurança da população e assegurar o suprimento de energia elétrica.



No caso das operadoras que possuem contrato de compartilhamento dos postes, a companhia notifica as empresas para que regularizem a situação.

“As ações preventivas de ordenamento visam o cumprimento dos padrões técnicos exigidos pela Celpe aos provedores de internet, o que impacta diretamente na redução da poluição visual e garante que as normas de segurança estão sendo seguidas. Trabalhamos com tolerância zero às instalações irregulares, e estamos intensificando as atividades de combate ao desvio de padrão na instalação de cabos de internet em nossos postes”, comenta Evandro Simões, gerente Operacional da Celpe.

Alguns postes não suportam mais fios

Em algumas áreas do Grande Recife, os postes estão saturados e não comportam mais a instalação de novos fios. Nas demais localidades, as operadoras interessadas em usar a estrutura da Celpe devem procurar a concessionária para formalizar projetos, em conformidade com as normas técnicas previstas na legislação vigente.

Anualmente, a Celpe direciona cerca de R$ 2 milhões para as operações de ordenamento de fiação instalada irregularmente por operadoras de telefonia e telecomunicações. A concessionária pernambucana vem realizando, desde 2015, uma ação para o reordenamento, com foco no cumprimento dos requisitos de segurança. Apenas em 2018, a empresa já recolheu mais de sete toneladas de fios irregulares.

Em 2017, equipes da companhia removeram mais de 15 toneladas de fios instalados irregularmente ou de forma clandestina em postes da concessionária. A ação abrange municípios do Grande Recife e já percorreu mais de 100 quilômetros de linhas de transmissão, identificando irregularidades em 1400 postes. Mais de 20 operadoras de telefonia foram identificadas utilizando ilegalmente as estruturas.



Comentários

Por alexandre,03/09/2018

A Celpe, tem toda razão para querer organizar a bagunça que é feita. Tem fatores de segurança e de estética a ser considerado. mas tem lugares que a grandes operadora como OI E VIVO (ANTIGA GVT) não chegar para atende nos clientes jardim Muribeca,Muribeca rua, jardim prazeres etc porque para uns tem compartilhamento de poste mas para outros não tem deste 400 provedores citado ai em cima não da para analisar deixar eles trabalhar ou obriga oi ou vivo atender estes bairros demas.

Por Porto Analógico,11/07/2018

O Gerente desta área na CELPE (Sr.Paulo) deveria se preocupar além dos Cabos Ópticos irregulares de operadoras piratas, também e principalmente com os Cabos CTP-APL (só telefonia) que após a passagem do cabo óptico são abandonados pelas operadoras com contrato. Estes são realmente os cabos que causam essa poluição visual. A solução é simples,só libera o projeto para Fibra Óptica se a operadora retirar os CTPs que serão substituídos pela parte óptica.

Por Renato,04/07/2018

Eu pago pra ver a Celpe retirar os fios pendurados do centro da cidade do Recife.

Por Fernando ,04/07/2018

A Celpe, tem toda razão para querer organizar a bagunça que é feita. Tem fatores de segurança e de estética a ser considerado. Parabéns a Celpe!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM