Jornal do Commercio
Caso Aldeia

Mulher e filho acusados da morte de médico devem quebrar silêncio

Farmacêutica e engenheiro estão presos desde o dia 5 e disseram à polícia que só falariam em juízo

Publicado em 12/07/2018, às 08h11

Denirson ia se separar da mulher, com quem convivia há mais de 40 anos / Reprodução Facebook
Denirson ia se separar da mulher, com quem convivia há mais de 40 anos
Reprodução Facebook
Cidades

Presos desde o último dia 5 sob acusação de homicídio qualificado e ocultação de cadáver, a farmacêutica Jussara Rodrigues Silva Paes, 54, e o filho mais velho, o engenheiro civil Danilo Rodrigues Paes, 23, devem quebrar o silêncio e prestar depoimento à polícia. A informação é do advogado Alexandre Oliveira, que aguarda para hoje decisão judicial sobre pedido de soltura ou prisão domiciliar (com uso de tornozeleira eletrônica) que impetrou ontem no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).

“Eles calaram por orientação do advogado deles na ocasião, antes de eu assumir. Mas, de toda forma, permanecer calado é um direito garantido pela constituição”, diz Alexandre Oliveira. Questionado se sua intenção é que eles prestem depoimento, o advogado diz que “com certeza absoluta”, mas não dá data, afirmando que vai “aguardar o resultado do habeas corpus”. Ele não vê motivos para a prisão. A polícia argumentou necessidade de preservar as provas, mas o advogado diz que os dois podem ir para o apartamento em vez de ficar na casa onde ocorreu o crime.



CELAS ESPECIAIS

Jussara e Danilo têm curso superior e estão em celas especiais. Até agora, há alegação de inocência na morte do médico. A polícia continua fazendo buscas de restos mortais na cacimba, pois o corpo ainda não está completo. Partes foram cobertas por várias camadas de areia e metralha, depois de receberem banhos de cloro para, segundo polícia, acobertarem provas.



Comentários

Por Luciano,12/07/2018

Eu já imagino o que estes dois pilantras vão alegar, que eram espancados pelo morto.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM