Jornal do Commercio
Anuário da Segurança

Pernambuco de novo em quarto lugar em homicídios no País

Estado apresentou taxa de 57,3 homicídios por cem mil habitantes, enquanto a taxa nacional é de 30,8

Publicado em 09/08/2018, às 22h11

Em 2017, Pernambuco registrou 5.426 assassinatos / Diego Nigro/JC Imagem
Em 2017, Pernambuco registrou 5.426 assassinatos
Diego Nigro/JC Imagem
Margarette Andrea

Com uma taxa de 57,3 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) por grupo de cem mil habitantes em 2017, Pernambuco ficou em quarto lugar no País em número de homicídios, no Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018, divulgado nesta quinta pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), mantendo a posição de 2016. As maiores taxas foram registradas no Rio Grande do Norte (68), seguido pelo Acre (63,9) e Ceará (59,1). Embora o Brasil todo tenha contabilizado os piores números da história, segundo a entidade (foram 63.880 assassinatos), a taxa nacional ficou em 30,8 CVLIs por cem mil habitantes.

Quando se observam só os homicídios dolosos (intencionais), Pernambuco sobe para o terceiro lugar, com taxa de 54,2 por cem mil habitantes. Ficam a sua frente o Acre (60,5) e Ceará (55,9). Mesma posição no que se refere ao latrocínio (roubo seguido de morte), modalidade que teve taxa de 2,6 por cem mil habitantes, ficando atrás do Acre (3,3) e Pará (2,7). Já quando se trata de lesão corporal seguida de morte o Estado vai para o décimo quarto lugar, com taxa de 0,4.

“São dados tristes, pois Pernambuco teve um processo de redução de homicídios que foi modelo para outros Estados”, avalia a pesquisadora Roberta Astolfi, do FBSP. “A taxa de 57,3 é 20,3% maior que em 2016 e bem acima da nacional (de 30,8%), mostrando a falta de continuidade da política de segurança adotada no Estado. Por um lado, vemos que é possível sim reduzir os homicídios com política pública. Por outro, percebemos que ela foi se perdendo ao longo do tempo”.

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

A pesquisadora salienta que, embora tenha havido redução de 32,1% dos feminícidios no Estado, a taxa de mulheres mortas (6,5 por cem mil) ainda é bem maior que a nacional (4,3) e considera o número de estupros (Pernambuco está em 19º lugar, com 2.049 casos) bastante subnotificado. Ela também chama atenção para os dados de mortes decorrentes de intervenção policial. “A taxa quase dobrou em Pernambuco, comprovando que o aumento da letalidade da polícia não tem reflexo na redução da violência”, destaca. O número de policiais mortos também cresceu 33,3%.

Embora o Estado tenha gasto apenas R$ 267,05 per capta com segurança (o que o coloca em 22º lugar no quesito), ele tem o terceiro maior gasto com policiamento (R$ 1,9 bilhão). “Não importa só quanto se gasta, mas como se gasta”, observa Roberta, comentando que é preciso investir em questões como o controle de armas para redução de todo tipo de criminalidade.



“O que tem de positivo com relação a Pernambuco são suas estatísticas cuidadosas. Há uma boa introdução das informações, isso se mantém”, salienta a pesquisadora. Pela avaliação do FBSP, o Estado é o quarto com melhor apresentação de dados, pontuando 91,50. Perde para Alagoas (95,25), Pará e Piauí (ambos com 91,75). Em muitos indicadores não é possível fazer comparativos por falta de unificação das informações.

TRANSPARÊNCIA

A boa colocação é destacada pelo secretário de Defesa Social (SDS), Antônio de Pádua. “Não se pode ter uma política de segurança combativa sem dados, por isso estamos melhorando cada vez mais os nossos números. Isso mostra a transparência do Estado”, afirma, defendendo que é preciso unificar a metodologia das estatísticas para se ter uma confrontação de dados reais. O gestor reconhece as estatísticas negativas, mas diz que estão melhorando.

O anuário reflete o cenário nacional de 2017, que foi o pior da história. Mas em Pernambuco foram tomadas decisões e o problema vem sendo enfrentado com ações reais, como a contratação de milhares de policiais civis, militares e bombeiros e a interiorização da polícia”, diz. “E temos dados positivos, sendo o maior deles a redução de 112 para 76 feminicídios, apesar do aumento dos CVLIs em geral”.

REDUÇÃO CONTINUA

O secretário adianta que o balanço quinzenal de homicídios a ser apresentado na próxima semana será novamente positivo. “Vai ser o oitavo mês de queda de CVLIs, desta vez acima dos 20%. E os Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) vão ter redução superior a 30%. Alguns números voltam aos que eram vistos em 2013, quando o cenário econômico-financeiro era totalmente diferente”, comemora Pádua.


Recomendados para você


Comentários

Por bellevio,10/08/2018

Parabéns governador Paulo Câmara, pelo menos ganhou uma medalha de latão



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe
As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM