Jornal do Commercio
MOBILIDADE

Ciclistas comemoram ciclofaixa no Bongi, mas cobram manutenção em outras rotas

Nova ciclofaixa foi inaugurada segunda-feira (20). Tem 2,6 km de extensão e liga os bairros do Prado, Bongi e San Martin

Publicado em 21/08/2018, às 09h32

Nova ciclofaixa, com 2,6 km  de extensão, começa na Rua Carlos Gomes (foto) e acaba na Rua Cônsul Vilares Fragoso / Foto: Guga Matos /  JC Imagem
Nova ciclofaixa, com 2,6 km de extensão, começa na Rua Carlos Gomes (foto) e acaba na Rua Cônsul Vilares Fragoso
Foto: Guga Matos / JC Imagem
da editoria de Cidades

Ciclistas que circulam pela Zona Oeste do Recife comemoram a nova Ciclofaixa Estrada do Bongi, que liga os bairros do Prado, Bongi e San Martin, e inaugurada ontem pela prefeitura. Mas ao mesmo tempo cobram da gestão municipal a manutenção de outras rotas e a ampliação da malha cicloviária da capital pernambucana. Com o novo trecho, a cidade passa a dispor, segundo a prefeitura, de 52 quilômetros de vias com espaços destinados aos usuários de bicicletas. De acordo com o Plano Diretor Cicloviário, concluído em 2014 pelo governo estadual, o Recife deve ter 178,3 quilômetros exclusivos para ciclistas até 2024.

A nova ciclofaixa – com 2,6 quilômetros de extensão – começa na Rua Carlos Gomes (em frente ao Baile Perfumado, antigo Cavalo Dourado), segue pela Estrada do Bongi, Rua Pedro Américo, Rua Isaac Markman, Rua Itapemirim e termina na Rua Cônsul Vilares Fragoso. Com exceção dessas duas últimas vias, as demais estão com tachões para separar carros de bicicletas.

Na Itapemirim não existia, até o fim da manhã de ontem, qualquer sinalização remetendo à ciclorrota. A Cônsul Vilares Fragoso é mão dupla, com uma faixa para cada sentido. Nela constavam apenas desenhos de bicicletas pintados no asfalto. “Acho ótimo haver ciclofaixa. Mas só pintar a rua não adianta muito. Dificilmente um motorista vai respeitar a gente por causa disso”, diz a dona de casa Edilene Ângela Melo, 34 anos.

A Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) informa que a Ciclofaixa Estrada do Bongi está em fase final de sinalização e que até o próximo domingo estará totalmente implantada. No primeiro dia de operação do novo equipamento, agentes de trânsito orientaram motoristas, ciclistas e pedestres sobre as mudanças. Na maior parte do percurso, a velocidade regulamentada é de 40 km/h.



SEM CONEXÃO

A nova ciclofaixa deveria se conectar com outra, a Tiradentes, que tem 5,6 quilômetros de extensão e passa pelos bairros de Torrões, San Martin e Afogados. Mas na prática isso não acontece. A Comendador Franco Ferreira, uma das vias da Tiradentes, é perpendicular à Cônsul Vilares Fragoso. Nessa rua há estacionamento nos dois lados, dificultando a passagem dos ciclistas. Na continuação da rota, na Rua 21 de Abril, poucas placas indicam que ali há uma ciclorrota. No asfalto nada remete ao uso compartilhado entre carros e magrelas.

“Moro na Joana Bezerra e circulo muito pelo Recife de bicicleta. Não só a 21 de Abril deveria ter trechos destinados a ciclistas. Não entendo por que uma avenida como a Agamenon Magalhães não tem ciclofaixa”, questiona a autônoma Selma da Silva, 46. Em outro trecho, na Avenida do Forte, a queixa é a pintura apagada no asfalto.

Outros problemas são os buracos. A reportagem do JC encontrou cinco ontem: dois exatamente na linha da ciclofaixa Arquiteto Luiz Nunes que passa pela Lagoa do Araçá, na Imbiribeira, dois na Rua Professor Joaquim Xavier de Brito, no Cordeiro (ciclofaixa Inácio Monteiro), e outro na Rua Antônio Curado, no Engenho do Meio.

A CTTU assegura que realiza manutenção na malha cicloviária com a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb). O órgão prometeu que até o fim do ano toda a rede cicloviária passará por intervenções.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM